Prática de produção de texto: da obra Minhas férias, pula uma linha, parágrafo aos gêneros multimodais

Authors

  • Juliani Cristina da Silva IFMT/UNIC
  • Claudia Lúcia Landgraf Valerio

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.16n.8-047

Keywords:

gêneros textuais, formação docente, produção de texto, documentos oficiais, ensino

Abstract

Este trabalho investiga a temática gêneros textuais no ensino de língua portuguesa, mais especificamente, como os gêneros textuais eram trabalhados na década de 80, a partir das orientações  dos Parâmetros Curriculares Nacionais (Brasil,1998), qual era a estrutura desses textos, e o que  mudou com a chegada da Base Nacional Comum Curricular (Brasil, 2017), no processo de ensino e aprendizagem da língua portuguesa do ensino básico e, principalmente, na produção textual. Com base no livro: Minhas férias, pula uma linha, parágrafo (Gribel, 2009), analisamos como eram escritos os textos, quais eram as suas bases e quais eram os princípios utilizados para a correção deles.Com o objetivo de analisar a mudança que ocorreu ao longo das últimas décadas, assim como quais foram as orientações  dos documentos oficiais para a prática docente em relação a esse assunto. Por fim, considerando os gêneros textuais como meios de comunicação e interação, percebe-se que seu uso em aulas de língua portuguesa é essencial no processo de ensino aprendizagem. Por serem os gêneros textuais, artefatos da comunicação, eles estão em constante mudança, ou seja, a cada dia que passa surgem novos gêneros. Daí a importância de uma recontextualização e um planejamento adequado, para que os docentes trabalhem os gêneros de forma atual e adaptável à realidade do aluno.

References

ACOSTA-PEREIRA, R. (2011). Contribuições dos estudos sobre gêneros do discurso para a análise linguística em sala de aula: perspectivas dialógicas. Revista Caminhos em Linguística Aplicada, v. 5, p. 01-41.

BORGES, Flávia Girardo Botelho.(2012). Os gêneros textuais em cena: Uma análise crítica de duas concepções de gêneros textuais e sua aceitabilidade na educação no Brasil. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 12, pp. 119-140. Acesso em: 21 de maio de 2022.

BRASIL.(1997).Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa: ensino de primeira à quarta série. Brasília: MEC/SEF.

BRASIL.(1998) Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua portuguesa: terceiro e quarto ciclo do ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF.

BRASIL. (2017). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME.

BAZERMAN, C.(2006). Gêneros, agência e escrita. São Paulo: Cortez.

COSTA, Iara Bemquerer. (2005). Gêneros textuais e tradição escolar. Revista Letras, v. 66. Disponível em < 6.pdf (ufpr.br)>Acesso em 06 de junho de 2022.

COSCARELLI, Carla Viana.(2002). Entre textos e hipertextos. In: COSCARELLI, Carla Viana (Org.). Novas tecnologias, novos textos, novas formas de pensar. Belo Horizonte: Autêntica, 2006, pp.65-84.

DOLZ, Joaquim; NOVERRAZ, Michele; SCHNEUWLY, Bernard. (2004). Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, Bernard.; DOLZ, Joaquim. e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. [Tradução e organização: Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro]. Campinas-SP: Mercado de Letras.

GERALDI, João Wanderley et al. (1984). O texto na sala de aula. Cascavel: Assoeste.

GRIBEL, Christiane. (2013). Minhas férias, pula uma linha, parágrafo. Ilustrações de Jean Claude Alphen. São Paulo: Salamandra.

GOMES, Luiz Fernando.(2011) Hipertexto no cotidiano escolar. São Paulo: Cortez.

KÔCHE, Vanilda Salton;MARINELLO,Adiane Fogali. BOLF, Odete Maria Benetti.(2014) Leitura e Produção textual: Gêneros textuais do argumentar ao expor. Petrópolis, RJ:Vozes.

KÔCHE, Vanilda Salton; MARINELLO,Adiane Fogali.(2015). Gêneros textuais: Práticas de leitura escrita e análise linguística. Petrópolis, RJ:Vozes, 2015.

KOCH, Ingedore Villaça e ELIAS, Vanda Maria. (2011). Ler e escrever: estratégias de produção textual. – 2ª ed. – São Paulo: Contexto.

NASCIMENTO, Elvira Lopes; GONÇALVES, Adair Vieira; SAITO, Cláudia Lopes Nascimento. (2007). Gêneros textuais e ferramentas didáticas para a formação contínua de professores de língua portuguesa. Signum: Estudos da Linguagem, v. 10, n. 2, pp. 89-11. Acesso em 04 de agosto de 2022.

PEREIRA, Rodrigo Acosta; RODRIGUES, Rosângela Hammes. (2009). Perspectivas atuais sobre gêneros do discurso no campo da linguística. Letra Magna, São Paulo, ano, v. 5, pp. 1-18.

RAMIRES, Vicentina.(2005). "Panorama dos estudos sobre gêneros textuais." Revista Investigações 18.2. Acesso em: 15 de julho/2022.

SANTOS, Leonor Werneck.(2011). Gêneros Textuais nos Livros Didáticos: Problemas do Ensino e da Formação Docente. Gêneros textuais nos livros didáticos de Português. Acesso em 02 de julho de 2022.

SEGATE, Aline. (2010). Gêneros Textuais no Ensino de Língua Portuguesa. https://www.revistas.usp.br/linhadagua/article/view/37333 Acesso em 17 de outubro de 2022.

SILVA, Wagner Rodrigues. (2012). Gêneros textuais em aulas de Língua Portuguesa no Ensino Médio brasileiro. Revista Linguagem & Ensino, v. 15, n. 2, pp. 387-418.

SILVA, Wagner Rodrigues.(2015). Gêneros em práticas escolares de linguagens: currículo e formação do professor. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 15, pp. 1023-1055.

TORGA, Vania Lúcia Menezes; FILHO, Urbano Cavalcante.(2012). Leitura e produção de textos: gêneros discursivos e tipos textuais. Letras Vernáculas – EAD, módulo 1, volume 8 / Elaboração de conteúdo. Ilhéus, BA: EDITUS.

Published

2023-08-03

How to Cite

da Silva, J. C., & Valerio, C. L. L. (2023). Prática de produção de texto: da obra Minhas férias, pula uma linha, parágrafo aos gêneros multimodais. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 16(8), 8977–8995. https://doi.org/10.55905/revconv.16n.8-047