Reflexão sobre a migração de enfermeiras mundialmente

Authors

  • Shayanna Mickaela Duque Carneiro
  • Jéssica Íris Franco da Silva
  • Hallyson Leno Lucas da Silva
  • Tatiane Araújo dos Santos
  • Soraya Maria de Medeiros
  • Tâmara Luiza Barroso de Araújo Alves
  • Sâmara Luiza Barroso de Araújo Alves
  • Jonas Sâmi Albuquerque de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.16n.11-086

Keywords:

mercado de trabalho, migração, enfermagem, enfermeira

Abstract

O primeiro registro de migração de enfermeiras foi feito a partir do ano de 1991 pela Organização Pan Americana da Saúde quando um total de 2000 enfermeiras, em três anos, migraram de países subdesenvolvidos  em busca de melhores condições de trabalho para países como Estados Unidos, Itália, Austrália e Espanha. Esse tipo de tendência foi visto como um passo para garantir maior independência financeira, liderança de uma melhoria da vida social e profissional. Isso foi baseado no entendimento das próprias enfermeiras de um emprego seguro, que assumiu importância sob a influência de seus pares, familiares e amigos, em outras razões também incluíram maiores oportunidades de desenvolvimento profissional e melhor qualidade de vida para suas famílias.  Refletir sobre a migração de enfermeiras como tendência mundial no mercado de trabalho na perspectiva da acumulação primitiva defendida pelo materialismo histórico, segundo Karl Marx. Trata-se de uma apresentação lógico-reflexiva abordando a  migração humana como meio de expansão do capital onde será utilizada a perspectiva do materialismo histórico, bem como estudos com diferentes fatores determinantes para a migração humana. A migração humana também pode ser analisada como um reflexo do capitalismo quando uma elite acumula riqueza em detrimento de outros que possuem apenas a sua própria força de trabalho para comercializar. Com o avanço dos capitalistas industriais o homem detentor apenas da terra para sua sobrevivência não conseguia mais competir com as máquinas e assim ocasionou a pobreza da grande massa. Foi possível compreender que o processo migratório do homem não é um fenômeno novo, mas que teve sua essência modificada ao longo dos tempos quando deixou de fazê-la apenas como função adaptativa ao ambiente para sobreviver e passou a realizar como meio de garantir o capital por meio da venda de sua força de trabalho. Sendo assim, a migração de enfermeiras pode ser prejudicial ou otimista, vai depender do aspecto analisado, à saber: a pessoa, o país de destino, o país de origem, a profissão e os serviços de saúde.

References

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Enfermagem em números. Brasília, DF. Disponível em: https://www.cofen.gov.br/enfermagem-em-numeros/. Acesso em: 19 nov. 2022.

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO PARANÁ. Fotografia da Enfermagem no Brasil. Ago. 2020. Disponível em: https://www.corenpr.gov.br/portal/noticias/1141-fotografia-da-enfermagem-no-brasil. Acesso em: 20 nov 2022.

MARX, Karl. O capital - Livro I: crítica da economia política. 36. ed. São Paulo: Boitempo, 2019. 751 p. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2547757/mod_resource/content/1/MARX,%20Karl.%20O%20Capital.%20vol%20I.%20Boitempo..pdf. Acesso em: 19 nov. 2022.

PAN AMERICAN HEALTH ORGANIZATION / WORLD HEALTH ORGANIZATION (OPAS/OMS). 49º Conselho Diretor. Jul. 2009. Disponível em: https://www3.paho.org/hq/index.php?option=com_content&view=article&id=1640:2009-49th-directing-council&Itemid=1425&lang=pt#gsc.tab=0. Acesso em: 19 nov. 2022.

PATARRA, Neide Lopes. Migrações internacionais e integração econômica no Cone Sul: notas para discussão. Simpósio sobre migración internacional en las américas, 2000. San José de Costa Rica. Anais eletrônicos. San José de Costa Rica, 2000.

PIRELLA, Thereza Christina; PIERANTONI, Célia Regina. A migração de enfermeiros: um problema de saúde pública. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 7, p. 199-211, abr. 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-38292007000200011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbsmi/a/nCFq7WpGjyy8t7CG5yGXnGj/. Acesso em: 23 nov 2022.

PIRES, Denise. A enfermagem enquanto disciplina, profissão e trabalho. Revista brasileira de enfermagem, v. 62, p. 739-744, out. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672009000500015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reben/a/SZLhTQGyxHDZKfdzZDBhRPS/?lang=pt. Acesso em: 23 nov 2022

PORTES, Alejandro. Los determinantes de la emigración professional. Revista Paraguaya de Sociología, 1997; 14: 23-45.

SILVA, Kênia Lara et al. Migrant nurses in Brazil: demographic characteristics, migration flow and relationship with the training process. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 24, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1518-8345.0390.2686. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rlae/a/XRxL6TkT4WQKn79JkqNhFbB/?lang=en. Acesso em: 20 nov. 2022.

VARELLA, Thereza Christina; PIERANTONI, Célia Regina. A migração de enfermeiros: um problema de saúde pública. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 7, p. 199-211, abr. 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-38292007000200011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbsmi/a/nCFq7WpGjyy8t7CG5yGXnGj/. Acesso em: 23 nov 2022

VENDRAMINI, Célia Regina. Migration from a Dialectical and Historical Materialist perspective. Revista Katálysis, v. 21, p. 239-260, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-02592018v21n2p239. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rk/a/T5Yt59NKzLLj8j8vLKv9jzw/?lang=en. Acesso em: 23 nov. 2022.

VIEIRA, Ana Luiza Stiebler; MACHADO, Maria Helena. Migração de enfermeiros sul-americanos e mercosulinos: conceitos, determinantes e a produção de conhecimento. Divulg. saúde debate, v. 57, p. 106-120, dez. 2017. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-880463. Acesso em: 21 nov 2022.

VILLA, Miguel; PIZARRO, Jorge Martínez. Tendencias y patrones de la migración internacional en América Latina y el Caribe. In: Simposio sobre migraciones internacionales en las Américas. San José de Costa Rica, Costa Rica. Cepal; 2000. Disponível em: http://www.cepal.org/publicaciones/xml/7/10907/LCL1632P.pdf. Acesso em: 21 nov. 2022.

Published

2023-11-14

How to Cite

Carneiro, S. M. D., da Silva, J. Íris F., da Silva, H. L. L., dos Santos, T. A., de Medeiros, S. M., Alves, T. L. B. de A., Alves, S. L. B. de A., & de Oliveira, J. S. A. (2023). Reflexão sobre a migração de enfermeiras mundialmente. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 16(11), 26212–26221. https://doi.org/10.55905/revconv.16n.11-086

Issue

Section

Articles