Color in police approaches in the state of Goiás: 2016-2018

Authors

  • Cleuler Barbosa das Neves
  • Gisele Gomes Matos

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.2-045

Keywords:

public security policies, racial selectivity, stop-and-searchstop-and-search, State of Goiás’ Military Police

Abstract

Under the double premise that Brazilian society is racially unequal and that this inequality constitutes vulnerability for those who are subjected to a police approach, a study was carried out to verify if race/color characterizes patterns of the approaches carried out by the PMGO. Therefore, after eliminating the duplicities, 1,300,711 police approaches registered in the RAI of the SSP-GO were analyzed, from April 2016 to April 2018, with variables related to the police action and the person of the individuals approached, such as: nature (types approach), date/time of the incident, place of the incident, sex, color/race, date of birth, marital status and schooling. These data were compared with those of the IBGE in the continuous PNAD, which records the color/race of the inhabitants of the State of Goiás on a quarterly basis. As a result of a descriptive and non-inferential statistical analysis (Chi-Square applied to a non-representative sample), there is a negligence on the part of the military police in filling in the color/race variable in police approaches (98.8% blank), which is not mandatory to record, keeping the race variable in the invisibility field. Of the portion in which color/race was registered (1.18%), there was a 91.3% greater percentage difference in the approach of people from the male, black or brown class in relation to white people; compared to the same proportions observed in the population of the State, in the same period, there is a statistically significant difference in the sample of RAIs collected (15355 approaches; 1.18%) in the years 2016 and 2017, but not for 2018; which cannot be generalized to the entire sample space of RAIs (1,300,711 approaches).

References

AGRESTI, Alan & FINLAY, Barbara. Métodos estatísticos para as Ciências Sociais. Tradução de Lori Viali. 4. ed. Porto Alegre: Penso, 2012. ISBN 978-85-63899-57-6

AGRESTI, Alan, FRANKLIN, Christine & KILINGENBERG, Bernhard. The Art and Science of learning from data. With contributions by Michael Posner. 4. ed. Harlow: Pearson, 2018. ISBN 13-978-1-292-16477-9

ANDIFES - Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior. Observatório do Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Estudantis – FONAPRACE. 9 Desenho Metodológico da V Pesquisa. In: ______. V Pesquisa Nacional de Perfil Socioeconômico e Cultural dos (as) Graduandos (as) das IFES - 2018. Brasília: Andifes, 2019. Disponível em: https://www.andifes.org.br/wp-content/uploads/2019/05/V-Pesquisa-Nacional-de-Perfil-Socioeconomico-e-Cultural-dos-as-Graduandos-as-das-IFES-2018.pdf. Acesso em: 1 jul. 2022.

AZEVEDO, Thales. As elites de cor: um estado de ascensão social. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1953.

BABBIE, Earl. The Practice of Social Research. 12. ed. Belmont, CA: Wadsworth Cengage, 2010. 625 p., ISBN 978-0-495-59841-1

BARBETTA, Pedro Alberto. Estatística aplicada às Ciências Sociais. 9. ed. 3. reimpr. rev. Florianópolis: Editora UFSC, 2019.

BATISTE, Roger & FERNANDES, Florestan. Brancos e Negros em São Paulo: ensaio sociológico sobre aspectos da formação, manifestações atuais e efeitos do preconceito de cor na sociedade paulistana. 2 ed. rev e amp. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1959.

BECKER, João Luiz. Estatística Básica: transformando dados em informação. 1. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015. 488 p., ISBN 978–85–8260–312–3

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988/2017. 23. ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

BRASIL. Ministério da Justiça. Matriz Curricular Nacional: para ações formativas dos profissionais da área de segurança pública. Brasília: Senasp, 2014.

BRASIL. Ministério da Justiça e Cidadania. Mapeamento das instituições de ensino e segurança pública no Brasil. Brasília: Senasp, 2016.

BRYMAN, Alan. Social research methods. 4. ed. New York: Oxford University Press, 2012. 809 p., ISBN 978–0–19–958805–3

BRUCE, Peter & BRUCE, Andrew. Practical Statistics for data scientists: 50 essential concepts. 1. ed. Sebastopol, CA: O’Reilly, 2017. ISBN 978-1-491-95296-2

BRUCE, Peter & BRUCE, Andrew. Tradução de Luciana Ferraz. Estatística prática para cientistas de dados: 50 conceitos essenciais. 1. ed. Rio de Janeiro: Alta Books, 2019. ISBN 978-85-508-0603-7

BUSSAB, Wilton de O. & MORETTIN, Pedro Alberto. Estatística básica. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2013. ISBN 978-85-02-20799-8

CANE, Peter & KRITZER, Herbert M. (Ed.). The Oxford Handbook of empirical legal Research. Oxford, UK: Oxford University Press, 2013. ISBN 978-0-19-965994-4

DANZIGERA, Shai, LEVAVB, Jonathan & AVNAIM-PESSO, Liora. Extraneous factors in judicial decisions. PNAS - Proceedings of the National Academy of Sciences of USA, a peer reviewed journal of the National Academy of Sciences (NAS), v. 108, n. 17, apr. 2011, p. 6889-6892. Disponível em: https://www.pnas.org/doi/epdf/10.1073/pnas.1018033108. Acesso em: 10 maio 2022. www.pnas.org/cgi/doi/10.1073/pnas.1018033108

DIETZ, Thomas & KALOF, Linda. Introdução à Estatística Social: a lógica do raciocínio estatístico. Tradução e revisão técnica Ana Maria Lima de Faria (UFF) e Vera Regina Lima de Faria e Flores (UFMG). 1. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2015. 464 p., ISBN 978-85-216-2712-8.

GELMAN, Andrew. Statistical controversy on estimating racial bias in the criminal justice system. Statistical Modeling, Causal Inference, and Social Science, jul. 2020a. Disponível em: https://statmodeling.stat.columbia.edu/2020/07/06/statistical-controversy-on-racial-bias-in-the-criminal-justice-system/. Acesso em: 10 maio 2022.

GELMAN, Andrew. Update on social science debate about measurement of discrimination. Statistical Modeling, Causal Inference, and Social Science, jul. 2020b. Disponível em: https://statmodeling.stat.columbia.edu/2020/07/06/statistical-controversy-on-racial-bias-in-the-criminal-justice-system/. Acesso em: 10 maio 2022.

GOIÁS. Polícia Militar. Matriz curricular do CFP. Goiânia, 2017.

FERNANDES, Florestan. Relações raciais entre negro e branco em São Paulo. 3. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1959.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/pesquisa_resultados.php?id_pesquisa=40. Acesso em: 25 set. 2018.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD contínua. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/17270-pnad-continua.html?edicao=24437&t=resultados. Acesso em: 12 abr. 2019.

IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; FBSP – Fórum Brasileiro de Segurança Pública (Orgs.). Atlas da Violência 2019. Rio de Janeiro/São Paulo: Instituto Brasileiro de Pesquisa Econômica Aplicada/Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/19/atlas-da-violencia-2019.

IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; FBSP – Fórum Brasileiro de Segurança Pública (Orgs.). Atlas da Violência 2020. Rio de Janeiro/São Paulo: Instituto Brasileiro de Pesquisa Econômica Aplicada/Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/24/atlas-da-violencia-2020.

IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; FBSP – Fórum Brasileiro de Segurança Pública (Orgs.). Atlas da Violência 2021. Rio de Janeiro/São Paulo: Instituto Brasileiro de Pesquisa Econômica Aplicada/Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/arquivos/artigos/1375-atlasdaviolencia2021completo.pdf.

LEVIN, Jack. FOX & James Alan. FORDE, David R. Estatística para ciências humanas. Tradução Jorge Ritter. Revisão técnica Fernanda Bonafini. 11. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2012.

LOCK, Robin H. et al. Statistics: unlocking the power of data. 2. ed. Hoboken, NJ: Wiley, 2017. ISBN: 978-1-119-30884-3.

MORETTIN, Luiz Gonzaga. Estatística básica: probabilidade e inferência. São Paulo: Pearson: Prentice Hall, 2010. volume único.

OSORIO, Rafael Guerreiro. O sistema classificatório de “cor ou raça” do IBGE. Texto para Discussão nº 996, Brasília, nov. 2003. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_0996.pdf . Acesso em: 5 jul. 2017.

PEREIRA, Elio Gomes. O ensino na academia da Polícia Militar em Goiás: matrizes curriculares – mudanças e permanências – 1970-2012. Goiânia: Editora América, 2014.

PIERSON, Donald. Brancos e pretos na Bahia: estudo de contacto racial. São Paulo: Editora Nacional, 1971.

SILVA, Jorge. Violência e racismo no Rio de Janeiro. Niterói: EdUFF, 1998.

SIMÕES-GOMES, Letícia Pereira. A (in)visibilidade da questão racial na formação dos soldados da Polícia Militar. 192 p. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

SINHORETTO, Jacqueline et al. A filtragem racial na seleção policial de suspeitos: segurança pública e relações raciais. Brasília: Ministério da Justiça/Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), 2014. p. 121-157. (Coleção Pensando a Segurança Pública – Segurança Pública e Direitos Humanos: Temas Transversais).

SPIEGEL, Murray R., SCHILLER, Jhon & SRINIVASAN, Alu. Probabilidade e Estatística. Tradução técnica Lori Viali. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2013. (Coleção Schaum) ISBN 978-85-65837-18-7

TRIOLA, Mario F. Introdução à Estatística: atualização de tecnologia. Tradução e revisão técnica Ana Maria Lima de Farias, Vera Regina Lima de Farias e Flores. 11. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2015.

Published

2024-02-09

How to Cite

das Neves, C. B., & Matos, G. G. (2024). Color in police approaches in the state of Goiás: 2016-2018. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(2), e4146. https://doi.org/10.55905/revconv.17n.2-045