Teaching appropriate conflict resolution methods as an incentive to de-judicialization

Authors

  • José Bruno Martins Leão

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.2-048

Keywords:

judicialization of social conflicts, culture of litigation, multi-door justice system, cultural training for de-judicialization, social pacification

Abstract

The multi-door justice system is an alternative for reducing the number of lawsuits brought before the courts. The so-called crisis of the Judiciary can be alleviated through the use by society of other appropriate methods of conflict resolution, such as negotiation, conciliation, mediation and arbitration. However, in a society characterized by a culture of litigation, the judicialization of social conflicts is also a cultural problem, since citizens commonly only know the judicial route as a mechanism for social pacification. This raises the question of whether ignorance of the multi-door justice system is, in fact, an aggravating factor in the phenomenon of judicialization, so that, contrario sensu, teaching other ways of resolving disputes could be considered a cultural strategy to achieve gradual de-judicialization. Therefore, based on a review of the literature, especially consultations of specialized doctrine and analysis of legal texts, this article presents the theory of conflict and the way in which disputes occur in society, as well as explaining what the so-called multi-door justice system consists of, briefly presenting the appropriate dispute resolution methods that make it up. The aim was also to demonstrate that judicialization is based on a cultural problem, which must be gradually resolved by teaching the techniques for reaching appropriate solutions to the disputes that emerge from social life.

References

ASSIS, Carolina Azevedo. A justiça multiportas e os meios adequados de solução de controvérsias: além do óbvio. Revista de Processo, São Paulo, v. 297, p. 399-417, nov. 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 3 dez. 2023.

BRASIL. Lei n. 9.307, de 23 de setembro de 1996. Dispõe sobre a arbitragem. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9307.htm. Acesso em: 2 dez. 2023.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Resolução n. 125, de 29 de novembro de 2010. Dispõe sobre a Política Judiciária Nacional de tratamento adequado dos conflitos de interesses no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. Disponível em: https://atos.cnj.jus.br/atos/detalhar/156. Acesso em: 2 dez. 2023.

BRASIL. Lei n. 13.105, de 16 de março de 2015a. Código de Processo Civil. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm. Acesso em: 2 dez. 2023.

BRASIL. Lei n. 13.140, de 26 de junho de 2015b. Dispõe sobre a mediação entre particulares como meio de solução de controvérsias e sobre a autocomposição de conflitos no âmbito da administração pública; altera a Lei nº 9.469, de 10 de julho de 1997, e o Decreto nº 70.235, de 6 de março de 1972; e revoga o § 2º do art. 6º da Lei nº 9.469, de 10 de julho de 1997. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13140.htm. Acesso em: 2 dez. 2023.

DANTAS, Marcelo Navarro Ribeiro; DANTAS, Eduardo Sousa. Sistema de justiça multiportas, meios alternativos de resolução de conflitos e o anteprojeto de lei para a ampliação das transações no Tribunal de Contas do Rio Grande do Norte. Boletim Revista dos Tribunais Online, São Paulo, v. 27, maio, 2022.

GARBELINI, Viviane Maria Penteado. Negociação e conflitos. Curitiba: InterSaberes, 2016.

LESSA NETO, João Luiz. O novo CPC adotou o modelo multiportas!!! E agora? Revista de Processo, São Paulo, v. 244, p. 427-441, jun. 2015.

LUCENA FILHO, Humberto Lima de. As teorias do conflito: uma aplicação prática à cultura da consensualidade. Direitos Culturais, Santo Ângelo, v. 7, n. 12, p. 225-249, jan./jun. 2012. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/322640497.pdf. Acesso em: 2 dez. 2023.

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL (OAB). Código de Ética e Disciplina da OAB. Disponível em: https://www.oab.org.br/content/pdf/legislacaooab/codigodeetica.pdf. Acesso em: 3 dez. 2023.

OLIVEIRA, Adrielly Letícia Silva; CANTON FILHO, Fábio Romeu. A desjudicialização na sociedade da informação: a arbitragem eletrônica como forma de resolução de conflitos. Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 1052, p. 277-291, jun. 2023.

SALIM, Clara Araujo; SIQUEIRA, Julio Pinheiro Faro Homem de. Justiça multiportas: uma análise da mediação no Novo Código de Processo Civil brasileiro. Revista de Processo, São Paulo, v. 299, p. 451-468, jan. 2020.

SCAVONE JUNIOR, Luiz Antonio. Manual de arbitragem: mediação e conciliação. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2018.

SCHMIDT, Gustavo da Rocha. O papel do ensino jurídico na formação de uma nova cultura de solução de litígios no Brasil. Revista de Arbitragem e Mediação, São Paulo, v. 73, p. 167-194, abr./jun. 2022.

VASCONCELOS, Carlos Eduardo de. Mediação de conflitos e práticas restaurativas. 8. ed. Rio de Janeiro: Método, 2023.

ZANETI JÚNIOR, Hermes; CABRAL, Trícia Navarro Xavier (org.). Justiça Multiportas: mediação, conciliação, arbitragem e outros meios de solução adequada para conflitos. Salvador: Juspodivm, 2016.

Published

2024-02-09

How to Cite

Leão, J. B. M. (2024). Teaching appropriate conflict resolution methods as an incentive to de-judicialization. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(2), e4354. https://doi.org/10.55905/revconv.17n.2-048