The sustainability in the 21st century and its shelter in the Brazilian Constitution of 1988

Authors

  • Antonio Isac Nunes Cavalcante de Astrê
  • Tiago Cordeiro Nogueira

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.2-064

Keywords:

globalization, sustainability, ecocentrism

Abstract

The challenges of modernity, especially those resulting from globalization and the unlimited exploitation of natural resources, which have resulted in a serious ecological crisis, require new values, of which sustainability stands out. The general objective of this work is to analyze the importance and influence of sustainability in facing the consequences of globalization and its influences on law and the conformation of contemporary States. In turn, the specific objectives will be centered on the exposition of the current stage of globalization, the emergence of sustainability as a new paradigm that recasts and guides the State and the law, and finally, the conformation that this new paradigm has received in the context of the Federal Constitution of 1988. As for the methodology, the inductive method was used in the research phase, and the Cartesian method in the data treatment phase.

References

ARAGÃO, Alexandra. Direito constitucional do ambiente da união europeia. In: CANOTILHO, José Joaquim Gomes; LEITE, José Rubens Morato (Org.). Direito constitucional ambiental brasileiro. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2015, p. 34-82.

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Tradução de Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

BECK, Ulrich. O que é globalização? Equívocos do globalismo: resposta à globalização. Tradução de André Carone. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

BENJAMIN, Antônio Herman. Constitucionalização do ambiente e ecologização da constituição brasileira. In: CANOTILHO, José Joaquim Gomes; LEITE, José Rubens Morato (Org.). Direito constitucional ambiental brasileiro. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2015, p. 83-156.

BOSSELMANN, Klaus. Direitos humanos, ambiente e sustentabilidade. In Revista do Centro de Estudos de Direito do Ordenamento, do Urbanismo e do Ambiente (CEDOUA). Coimbra, ano XI, n. 21, 2008.

__________. O princípio da sustentabilidade: transformando direito e governança. Tradução de Phillip Gil França. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2015.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. ADI nº 3540/MC. Relator: Min. Celso de Mello. Brasília, 1º de setembro de 2005. Diário da Justiça. Disponível em: <https://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=AC&docID=387260>. Acesso em: 20 ago. 2021.

__________. Supremo Tribunal Federal. MS 22.164/SP. Relator: Min. Celso de Mello. Brasília, 30 de outubro de 1995. Diário da Justiça. Disponível em: <https://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=AC&docID=85691>. Acesso em: 20 ago. 2021.

CALETTI, L.; STAFFEN, M. R. A fragmentação jurídica e o direito ambiental global. Veredas do Direito, Belo Horizonte, v. 16, n. 34, jan./abr. 2019. Disponível em: <http://www.domhelder.edu.br/revista/index.php/veredas/article/view/1455>. Acesso em: 20 ago. 2020.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 12. Ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2019.

CRUZ, Paulo Márcio. Da soberania à transnacionalidade: democracia, direito e Estado no século XXI. Itajaí: Univali, 2014.

__________; BODNAR, Zenildo. O novo paradigma do direito na pós-modernidade. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito, Porto Alegre, v. 3, n. 1, 2011, p. 81.

FREITAS, Juarez. Sustentabilidade: direito ao futuro. 3. Ed. Belo Horizonte: Fórum, 2016. 374 p.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. Tradução de Raul Fiker. São Paulo: Editora Unesp, 1991.

GUDYNAS, Eduardo. Direitos da natureza: ética biocêntrica e políticas ambientais. Tradução de Igor Ojeda. São Paulo: Elefante, 2019. 340 p.

MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. 26. ed. São Paulo: Malheiros, 2018. 1430 p.

MATIAS, Eduardo Felipe Pérez. A humanidade e suas fronteiras: do Estado soberano à sociedade global. 4. Ed. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

PASOLD, Cesar Luiz. Metodologia da pesquisa jurídica. 13. Ed. Florianópolis: Conceito Editorial, 2015.

SARLET, Ingo Wolfgang; FENSTERSEIFER, Tiago. Direito Constitucional Ecológico: constituição, direitos fundamentais e proteção da natureza. 7 ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Thomson Reuters Brasil, 2021. 608 p.

__________; FENSTERSEIFER, Tiago. Direito Constitucional Ecológico: constituição, direitos fundamentais e proteção da natureza. 6 ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Thomson Reuters Brasil, 2019.

SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 11. ed. São Paulo: Malheiros, 2019. 374 p.

SOARES, J. S.; SOUZA, M. C. da S. A. de. Sociedade de consumo e o consumismo: implicações existenciais na dimensão da sustentabilidade. Direito & Desenvolvimento. João Pessoa, v. 9, n. 2, ago./dez. 2018.

SOUZA, Maria Cláudia da Silva Antunes de; ALBINO, P. L.; PETERMANN, V. “Pegada hídrica” e o valor da água: dimensões entre Capitalismo, Consumismo e Justiça Intergeracional. In: SOUZA, M. C. da S. A. de; POMPEU, G. V. M.; FREITAS, A. C. P. (Org.). Gestão das águas: dignidade humana e sustentabilidade por meio do fortalecimento das cadeias de valor. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2018.

__________. Sustentabilidade corporativa: uma iniciativa de cunho social transformando o meio ambiente. Revista Jurídica Unicuritiba. v. 04, n. 45, Curitiba, 2016.

__________.; ARMADA, C. A. S. Direito Ambiental Global: Limites e Possibilidades de Implementação. Pensamiento Americano, Diciembre 2019, v. 12, n. 24.

__________; OLIVEIRA, M. R. de. Sustentabilidade, direitos humanos e conflitos nas relações transnacionais nos países subdesenvolvidos. In: BENACCHIO, Marcelo (coord.). A sustentabilidade da relação entre empresas transnacionais e Direitos Humanos. Curitiba: CRV, 2016.

__________; PASOLD, C. L. A sociedade e os riscos do consumismo. Revista Bonijuris. Curitiba, v. 31, n. 3, ed. 658, jun./jul. 2019.

VEIGA, José Eli da. Sustentabilidade: a legitimação de um novo valor. 3. ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2019.

VIEIRA, Oscar Vilhena. A Constituição e sua reserva de justiça. São Paulo: Malheiros Editores, 1999.

Published

2024-02-09

How to Cite

de Astrê, A. I. N. C., & Nogueira, T. C. (2024). The sustainability in the 21st century and its shelter in the Brazilian Constitution of 1988. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(2), e4451. https://doi.org/10.55905/revconv.17n.2-064