The music sector in the city of Bauru: characteristics of a potential local productive arrangement

Authors

  • Juliano Maurício de Carvalho
  • Camila Roberta Muniz Serra
  • Victor Simoes Zamberlan

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.2-035

Keywords:

creative economy, music sector, local music production arrangement

Abstract

The research problem of this study arises from the identification of characteristics of the potential of the music sector in the city of Bauru through two categories of the Local Productive Arrangement of music. In order to achieve the objective of presenting the interaction between the creative nucleus and show production categories in the city of Bauru, a bibliographical survey was carried out with reference to the creative economy, the music sector in the city of Bauru and the local productive arrangement for music. Field research was then carried out focusing on two specific areas of the music sector in the city of Bauru, such as the creative nucleus and the production of shows. After this analysis, we identified the profile of the members of these categories, the frequency of performances, how they are hired, working conditions and challenges.

References

ADORNO, TheodorW., I903-I969 Introdução à Sociologia da Música: doze preleções teóricas. Theodor W. Adorno; tradução Fernando R. de Moraes Barros. São Paulo: Editora Unesp, 2011. 420 p.

AMARAL, A. da R.; GROHMANN, R. do N. You Better Work: O trabalho nos Estudos de Comunicação e Música no Brasil. Revista Eco-Pós, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 339–359, 2020. DOI: 10.29146/eco-pos.v23i3.27493. Disponível em: <https://revistaecopos.eco.ufrj.br/eco_pos/article/view/27493>. Acesso em: 20 nov. 2023.

AVELAR, J. M. B. et al. A economia criativa e a economia solidária no fortalecimento dos arranjos produtivos locais. Anais do III Seminário dos Cursos de Ciências Sociais Aplicadas do Campus de Campo Mourão da Universidade Estadual do Paraná. Campo Mourão, PR, 13 a 15 de setembro de 2017, p. 17. Disponível em: http://anais.unespar.edu.br/iii_secisa/data/uploads/ciencias_economicas/033e.pdf.

BRASIL, Ministério da Cultura. Plano da Secretaria da Economia Criativa: políticas, diretrizes e ações. Brasília, 2011.

CARNEIRO, Italan; QUEIROZ, Luis Ricardo Silva. A música como segmento da economia criativa: reflexões necessárias. XXIV Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 1-8, jan. 2014.

CASTRO, Luiz Humberto de. Arranjo produtivo local. Brasília: SEBRAE, 2009. 44 p.

COELHO, Bruno Fontes Dias. DIAGNÓSTICO DO ARRANJO PRODUTIVO DA MÚSICA DE RIO DAS OSTRAS. V Seminário Internacional: POLÍTICAS CULTURAIS, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 1-16, maio 2014.

FACHIN, O. Fundamentos de Metodologia. São Paulo: Saraiva, 2001.

FERREIRA FILHO, José Alexandre; LIMA, Tatiane Gonçalves de; LINS, Anthony José da Cunha Carneiro. ECONOMIA CRIATIVA: uma análise sobre o crescimento do mercado das indústrias criativas. Comunicação & Inovação, São Caetano do Sul, v. 20, n. 42, p. 4-21, 25 abr. 2019. USCS Universidade Municipal de Sao Caetano do Sul. http://dx.doi.org/10.13037/ci.vol20n42.5501.

FIRJAN. Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil. Rio de Janeiro: Firjan, 2022. Disponível em: <https://casafirjan.com.br/pensamento/ambientes-de-inovacao/mapeamento-da-industria-criativa-2022>. Acesso em: 26 out 2023.

FLORIDA, R. A ascensão da classe criativa. Tradução de Ana Luiza Lopes. Porto Alegre: L&PM, 2011.

FUINI, Lucas Labigalini. Os arranjos produtivos locais (APLs): uma breve explanação sobre o tema. Geotextos, Salvador, v. 9, n. 2, p. 57-83, dez. 2013.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Brasileiro de 2010. São Paulo: IBGE, 2023.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Brasileiro de 2010. São Paulo: IBGE, 2023.

LAKATOS, Eva Maria e MARCONI, Marina de Andrade. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas, 2010.

LEITE JUNIOR, Francisco Carlos Ribeiro Costa. A música do silêncio e o seu resgate crítico em Adorno e Horkheimer. 2017. 44 f. TCC (Graduação) - Curso de Filosofia, Universidade Federal do Maranhão, São Luis, 2017.

LELIS, Henrique Rodrigues; LEMOS JÚNIOR, Eloy Pereira. Economia criativa e inovação tecnológica: uma análise comparativa dos aspectos legais e econômicos ligados aos setores criativos do brasil e do reino unido. Revista Paradigma, Ribeirão Preto, v. 28, n. 1, p. 159-180, jan. 2019.

LOURO, Viviane; LOURO, Fabiana dos Santos; DUARTE, Plinio Gladstone. O estresse gerado pela pandemia como risco para adoecimento mental e físico do músico a partir das neurociências cognitivas. p.379-396. Revista Música, v. 20n. 2 – Dossiê Música em Quarentena. Universidade de São Paulo, dezembro de 2020.

MANFRÉ, E. R.; NARDEZ, E. Desenvolvimento local e o arranjo produtivo local – APLs / Local development and the local productive arrangement - APLs. Geografia em Atos (Online), [S.L.], v. 6, n. 13, p. 96-112, 13 nov. 2019. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.35416/geoatos.v6i13.6201>. Acesso em: 26 out 2023.

MOREIRA PINTO, Rafaela Moreira. A contribuição da Educação Superior na formação de criadores para as Indústrias Criativas: um estudo através das perceções da geração z. 2021. 83 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Comunicação e Gestão de Indústrias Criativas, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, 2021.

MORIN, Edgar. Cultura de Massas no século XX. O espírito do tempo – 1 NEUROSE. Rio de Janeiro: Forense, 1975.

PANOSSO, Carlos Eduardo. ECONOMIA CRIATIVA E ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS: estudo das relações entre economia, cultura e desenvolvimento em palmas -to. VII Congreso Latinoamericano de Ciencia Política: Asociación Latinoamericana de Ciencia Política (ALACIP), Bogotá, v. 1, n. 1, p. 1-25, set. 2013.

PLANO DA SECRETARIA DA ECONOMIA CRIATIVA: políticas, diretrizes e ações, 2011-2014. Brasília, Ministério da Cultura, 2011. 148 p.

ROHRBACHER SAKR, M. O papel da classe criativa na sociedade atual: resenha. DRd - Desenvolvimento Regional em debate, v. 6, n. 1, p. 218-221, 15 abr. 2016.

SALAZAR, L. Música Ltda.: O negócio da música para empreendedores. Recife: Sebrae, 2015, p. 304.

SANTOS, Beatrice et al, Indústria 4.0: desafios e oportunidades. Revista Produção e Desenvolvimento. v. 4. n. 1, p.111-124, 2018.

SANTOS, Laís Alves; NANNI, Henrique Cesar. Economia criativa como estratégia no desenvolvimento de negócios. Processando O Saber, Praia Grande, v. 1, n. 10, p. 93-112, jan. 2018.

SERRA, N.; FERNANDEZ, R. S. Economia criativa: da discussão do conceito à formulação de políticas públicas. RAI. Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 4, p. 355–372, 2014.

SILVA JUNIOR, João Roque. Cultura, criatividade e desenvolvimento no Mercosul: desafios e possibilidades para as indústrias criativas e culturais. 2021. 197 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-Graduação Interunidades em Integração da América Latina, Usp, São Paulo, 2021.

Published

2024-02-08

How to Cite

de Carvalho, J. M., Serra, C. R. M., & Zamberlan, V. S. (2024). The music sector in the city of Bauru: characteristics of a potential local productive arrangement. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(2), e5013. https://doi.org/10.55905/revconv.17n.2-035