A relação professor-aluno no processo de ensino-aprendizagem do percurso formativo no ensino superior

Authors

  • Raytane Chaves Dias Oliveira
  • Danilo Marcus Barros Cabral
  • Luciano Fernandes Sousa
  • Michele Rocha Sobral Ribeiro
  • Laryany Farias Vieira Fontenele

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-142

Keywords:

assédio, sexual, autoritarismo, instituição

Abstract

O relacionamento professor-aluno é importante para o desenvolvimento do discente, por isso é interessante saber quais são as formas abordadas pelo docente na avaliação e ensino-aprendizagem em sala de aula. Dessa forma, objetivou-se investigar como se dá a relação professor-aluno no ensino superior, e propor programas que venham a solidificar tal relação para que a partir disso, o processo de ensino aprendizagem se torne efetivo. A pesquisa foi desenvolvida no formato qualitativo e quantitativo. Os sujeitos participantes foram 50 estudantes ou concluintes do ensino superior. Assim os dados foram coletados por meio de um questionário digital, um aplicativo de gerenciamento de pesquisas (Google Forms). Foram analisadas separadamente através de teste Qui-quadrado para 3 categorias distintas, idade, gênero e escolaridade. Conforme os resultados, verificou-se que 60% dos estudantes alegam que o motivo dá má relação entre o professor e o aluno é o autoritarismo. No intervalo do discurso professor e aluno, que se tem uma concepção do conhecimento, assim entende-se o processo, e o desenvolvimento dessa relação. Portanto, os dados indicam que a maior parte dos assédios em sala de aula, apontam para existência de assédios em sala de aula, provocados por professores.

References

AQUINO, J. G. (1996). A relação professor-aluno: do pedagógico ao institucional. São Paulo: Summus.

ASSMANN, Hugo. (2001). Reencantar a educação: rumo à sociedade aprendente. Petrópolis: Vozes.

AUSUBEL, D. P. (1982). A Aprendizagem Significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo, Moraes.

AZIN, D. G. Assédio Moral E Sexual Nas Instituições Federais De Ensino. PROCURADORA-CHEFE DA PF-IFCE, AGU - Advocacia Geral da União.

BEHRENS, M. (2009) Paradigma Emergente e a Prática Pedagógica. Petrópolis, RJ: Vozes.

BORDENAVE, J.D.; PEREIRA, A. M. (2002) Estratégias de ensino-aprendizagem. Petrópolis, RJ: Vozes.

CARVALHO, F. A. H. de. (2011). Neurociências e Educação: Uma Articulação Necessária na Formação Docente. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 8 n. 3, p. 537-550.

COELHO, B; TORRES, A; COSTA, D; SANT´ANA, H; SOUSA, I. (2016). Manual de Formação para Combater o Assédio Sexual e Moral, no local de Trabalho.

COLL, C. O. (1997). Construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática.

COMIN, C. (2020). Violência de Gênero nos Cursos Técnicos Integrados ao Ensino Médio em dois Campi do IFPA. Conceição do Araguaia/PA.

DEMO, Pedro. (2001). Saber pensar. 2. ed. São Paulo: Cortez.

FAZENDA, I. C. A. (1999). Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. São Paulo: Papirus.

FONSECA, V. da. (1998). Aprender a Aprender: a Educabilidade Cognitiva. Porto Alegre: Artmed.

HOFFMANN, J. (1995). Avaliação: Mito e Desafio: Uma Perspectiva Construtivista. 16.ed. Porto Alegre: Educação & Realidade.

HOFFMANN, J. (1991). Avaliação: Mito & Desafio - Uma Prática Perspectiva Construtivista, Porto Alegre: Educação e Realidade.

HOFFMANN, J. (1993). Avaliação Mediadora: Uma Prática em Construção da Pré-Escola à Universidade. Porto Alegre: Mediação.

HOFFMANN, J. (1994). Avaliação Mediadora: Uma Relação Dialógica na Construção do Conhecimento. Série Ideias, São Paulo, n. 22, p. 51-59: FDE.

IFTO - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins. (2022). Vamos Falar de Assédio. Comissão de Prevenção e Enfrentamento do Assédio Moral e Sexual no âmbito do Instituto Federal do Tocantins.

IZQUIERDO, I. (2002). Memória. Porto Alegre: Artmed.

KLAUSEN, L. dos S. (2017). Aprendizagem Significativa: Um Desafio. ISSN 2176-1396; XIII Congresso Nacional de Educação – EDUCERE.

KRAUSZ, R. (1991). Compartilhando o poder nas organizações. São Paulo: Nobel,

KNECHTEL, M. do R. (2014). Metodologia da pesquisa em educação: uma abordagem teórico-prática dialogada. Curitiba: Intersaberes.

LENT, R. (2001). Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais da neurociência. São Paulo: Atheneu.

MEIRIEU, Philippe. (1998). Aprender... Sim, Mas Como? Porto Alegre: Artmed,.

MORA, F. (2004). Como funciona o cérebro. Porto Alegre: Artmed, pag. 94.

MORAES, M. C.; TORRE, S. de L. (2004). Sentipensar: Fundamentos e Estratégias para Reencantar a Educação. Petrópolis: Vozes.

MOREIRA, A. E. da C. (2015). O Papel Docente na Seleção das Estratégias de Ensino. Universidade Estadual de Londrina.

MOREIRA, F. M. (2016). Violência de Gênero na Escola: Abuso/Assédio Sexual e Relações de Poder. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis,

MORETTO, V. P. (2014). Planejamento: Planejando a Educação para o Desenvolvimento de Competências. 10. Ed. Petrópolis, RJ; Vozes.

OSÓRIO C. (2007). A socialização escolar: educação familiar e escolar e violência de género nas escolas. Publicado em “Outras Vozes”, nº 19.

POSNER, M. I.; RAICHLE, M. E. (2001). Imagens da mente. Porto: Porto Editora.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. LEI No 10.224, DE 15 DE MAIO DE 2001, "Art. 216-A. Acessado em: 03/07/2022.

RIBEIRO, E. M. A. S. (2022). Cartilha Fique Bem! Psicóloga do IFTO - Matrícula: 1580401, CRP 23/464.

ROGERS, C. R. (2001). Tornar-se pessoa. 5. Ed São Paulo: Martins.

SANTOS, J. (2005). Avaliação Na Educação Profissional: A Experiência do SENAC/SP. PUC-CAMPINAS,

ZABALZA, Miguel A. (2004). O Ensino Universitário: seu Cenário e seus Protagonistas. Porto Alegre: Artmed.

Published

2024-06-17

How to Cite

Oliveira, R. C. D., Cabral, D. M. B., Sousa, L. F., Ribeiro, M. R. S., & Fontenele, L. F. V. (2024). A relação professor-aluno no processo de ensino-aprendizagem do percurso formativo no ensino superior. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(6), e6579 . https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-142

Issue

Section

Articles