Production of a guide in Brazilian Sign Language for chemical laboratory utensils

Authors

  • Rita de Cássia Ramos Queiroz de Freitas
  • Lília Raquel Fé da Silva
  • Cassius de Souza
  • Joel Augusto Moura Porto
  • Vivianne Cambuí Figueiredo Rocha
  • Maria Sandra Ramos Queiroz
  • Mateus Lima Coutinho
  • Andréa do Nascimento Sant'Anna
  • Washington Luís Hygino de Almeida

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-057

Keywords:

didactic tool, inclusion, interaction, chemistry laboratory, sign language

Abstract

The inclusion of deaf people in the Brazilian educational system is guaranteed by the use of Brazilian Sign Language (Libras). It is important that the learning process of these students, especially when dealing with abstract concepts such as those related to Chemistry, is offered based on teaching tools that cover this language. The objective of this work was to develop a guide with signs in Libras, already existing in the literature, of chemistry laboratory materials as a didactic device aiming to promote inclusion and facilitate access to experimental chemistry teaching for deaf students. The work began with meetings to plan the preparation of the booklet and choose the most common materials in laboratory classes (analytical balance, volumetric flask, beaker, burette, Erlenmeyer flask, funnel, suction bulb, volumetric and graduated pipettes, beaker and glass clock) accompanied by searching for the corresponding sign in Libras. The guide was created considering the five Libras parameters: point of articulation, movement, facial/body expression, configuration and orientation of the hands. Therefore, the material created constitutes a facilitator and important tool for interaction between teacher and student in laboratory classes, resulting in a more dynamic and efficient teaching and learning process for the target audience.

References

ANDRADE, J. W.; COSTA, E. da S.; SILVA, E. L. da. Sinais-Termo de Química Orgânica em Língua Brasileira de Sinais: Intervenção na Produção de Sinais de Funções Oxigenadas. Revista Debates em Ensino de Química, v. 5, n. 1, p. 202-2019, 2020.

BENITE, A.M.C.; PEREIRA. Formação do professor e docência em química em rede social: estudos sobre inclusão escolar e o pensar comunicativo. 2011. Tese (Doutorado Multiinstitucional em Química) UFG/UFU/UFMS – Goiânia, 2011.

BRANDÃO, C. R. Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais, eo art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], p. 28-28, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em 02 de set de 2019.

BRASIL. Lei de Diretrizes (2002). Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 25 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: Acesso em 02 de setembro de 2019.

BRASIL. Lei nº 14.191, de 3 de agosto de 2021. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), para dispor sobre a modalidade de educação bilíngue de surdos. Diário Oficial da União, Brasília, 04 de agosto de 2021. Seção 1, p. 1. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.191-de-3-de-agosto-de-2021-336083749. Acesso em: 29 ago. 2019.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em 102 de set. 2019.

BRITO, E. R. A inclusão do autista a partir da educação infantil: Um estudo de caso em uma pré-escola e em uma escola pública no Município de Sinop - Mato Grosso. Revista Eventos Pedagógicos, v. 6, n. 2, p. 82-91, 2015

CAPOVILLA, F. C. et al. Medicina e saúde em Libras: Propósito, estrutura e emprego da cartilha. Neurociências, v. 15, p. 11-26, 2019.

CAPOVILLA, F. C. Visemas e quiremas e outros bípedes implunes: revisão etimológica da taxonomia da linguagem em surdez-por que e como fazer. Educação digital: a tecnologia a favor da inclusão, 2013, 1 ed. Porto Alegre, RS: Penso, 2013, v. 1, p. 239-262.

COSTA, E. S. O Ensino de química e a Língua Brasileira de Sinais – Sistema Signwriting (Libras-Sw): Monitoramento interventivo na produção de Sinais Científicos. 2014. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvam, 2014. Acesso em 14 de set. 2019, https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/190926

DIZEU, L. C. T. B.; CAPORALI, S. A. A língua de sinais constituindo o surdo como sujeito. Educação & Sociedade, v. 26, p. 583-597, 2005.

ESPECIAIS, Educativas. Declaração de Salamanca.Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades. 1994.

FARIAS, C. S.; BASAGLIA, A. M.; ZIMMERMANN, A. A importância das atividades experimentais no Ensino de Química. 1º CPEQUI – 1º Congresso Paranaense de Educação Em Química. 2009.

FERNANDES, J. M.; SALDANHA, J. C.; LESSER, V.; CARVALHO, B.; TEMPORAL, P.; FERRAZ, T. A. S. Experiência da elaboração de um Sinalário Ilustrado de Química em Libras. Experiências em Ensino de Ciências, v. 14, n. 3, p. 28-47, 2019.

FERREIRA, L. M. V. L.; BARROSO, M. C. S.; SAMPAIO, C. G. Química com sinais: o ensino visual da Química para alunos surdos por meio de website. Revista Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, v. 15, n. 3, p. 531-546, 2020.

FERREIRA, W. M; NASCIMENTO, S. P. F; PITANGA, A. F; Dez Anos da Lei da Libras: Um Conspecto dos Estudos Publicados nos Últimos 10 Anos nos Anais das Reuniões da Sociedade Brasileira de Química. Revista Química Nova na escola, v. 36, n. 3, p. 185-193, 2014.

FERREIRA-BRITO, L. Uma abordagem fonológica dos sinais da LSCB. Espaço: Informativo Técnico Científico do INES, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 1990.

INES, Instituto Nacional de Educação de Surdos. 2015. Dicionário da Língua Brasileira de Sinais. Disponível em: http://www.ines.gov.br/dicionario-de-libras/main_site/libras.htm. Acesso em: 24 out. 2017.

LAGES, E.; DE FREITAS, J.; VASCONCELOS, N. Sinais de química experimental em libras: construindo comunicação entre docentes e os alunos surdos. Littera: Revista de Estudos Linguísticos e Literários, v. 9, n. Esp., 2018

LIMA, R. C.; ALMEIDA, C.B. A concepção de professores sobre o processo de escolarização de surdos em uma Institution pública estadual de ensino da cidade de Guanambi, BA. EFDeportes.com, Revista Digital. v.17, n. 178, 2013.

MARIN, N. G. et al. 2A022 Memorizando vidrarias: uma atividade para ensino de química. Tecné, Episteme y Didaxis: TED, 2018.

PEREIRA; L. L. S. BENTE; P. C. R. BENITE; A. M. C. Aula de química e surdez: sobre interações pedagógicas medidas pela visão. Revista Química Nova na Escola, v. 33. N. 1, 2011.

QUADROS, R. M de; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

REIS, E.; SILVA, L. P. O ensino das ciências naturais para alunos surdos: concepções e dificuldades dos professores da escola Aloysio Chaves – Concórdia/PA. Revista do EDICC, v.1, 2012.

SILVA, L. da. Fluência de ouvintes sinalizantes de libras como segunda língua: foco nos elementos da espacialização. 2018. Tese (Doutorado em Linguística) - Centro de Comunicação e Expressão – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018

TEIXEIRA, G. J. et al. Atividades Experimentais no Ensino de Química – Concepções de um Grupo de Licenciandos. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 11, 2017. Florianópolis. Anais. Florianópolis, ABRAPEC, 2017.

Downloads

Published

2024-06-06

How to Cite

Freitas, R. de C. R. Q. de, Silva, L. R. F. da, Souza, C. de, Porto, J. A. M., Rocha, V. C. F., Queiroz, M. S. R., Coutinho, M. L., Sant’Anna, A. do N., & Almeida, W. L. H. de. (2024). Production of a guide in Brazilian Sign Language for chemical laboratory utensils. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(6), e6743. https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-057

Issue

Section

Articles