Fatores no envelhecimento saudável: estudo exploratório com idosos da região norte do Brasil

Authors

  • Lidiane Colares de Faro
  • Fabio Alexis Rincón Uribe
  • Janari da Silva Pedroso

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-101

Keywords:

terceira idade, longevidade, envelhecimento, psicologia do desenvolvimento

Abstract

O artigo aborda estudo sobre envelhecimento baseado no paradigma life span, correlaciona características sociodemográficas com aspectos do envelhecimento saudável de idosos no estado do Amapá. A amostra consistiu de 383 idosos, selecionados por método de amostragem por conglomerado. Os instrumentos foram entrevistas estruturadas e escalas de Autoeficácia e Resiliência. Os resultados mostraram que a maioria da amostra foram mulheres (63,1%), com idade média de 70,4 anos. Grande parte não alfabetizada (19,5%), eram casadas (40,7%) ou viúvas (42,5%), e mais da metade não indicou atividades de lazer (55,8%) nem a participação em grupos comunitários (64,54%). Além disso, 81,56% possuíam algum problema de saúde. Houve diferenças estatisticamente significativas entre idosos que praticavam atividades físicas, de lazer e que participavam de grupos comunitários em comparação com os que não participavam das atividades. Observou-se uma correlação positiva entre essas atividades e os resultados de resiliência e autoeficácia, sugerindo que idosos que se envolviam nessas práticas apresentavam melhores indicativos de envelhecimento bem-sucedido. Concluiu-se com a necessidade de atenção diferencial na velhice tardia. Sugere a relevância de novas investigações que considerem fatores determinantes na qualidade de vida entre idosos mais longevos, como aspectos de inserção em atividades sociais, práticas de lazer e atividades físicas.

References

ALDERS, A. Perceived Self-Efficacy and Its Role in Education-Related Cognitive Performance in Latino American Elderly. Journal of Latinos and Education, v. 10, n. 4, p. 299–319, out. 2011.

BANDURA, A. Social foundations of thought and action: A social cognitive theory. Englewood Cliffs, NJ: Pretince-Hall, 1986.

BANDURA, A. Self-efficacy. Encyclopedia of human behavior, v. 4, p.71-81, New York: Academic Press, 1994.

BRASIL. Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003. Estatuto do Idoso. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1 out. 2003.

BERTOLDO, L., et al. Collective efficacy and depressive symptoms in Brazilian elderly. Archives of Gerontology and Geriatrics, v. 59, n. 3, p. 624–629, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.archger.2014.08.001. Acesso em: 29 de maio de 2024.

CAMBOIM, F. E. de F., NÓBREGA, M. O., DAVIM, R. M. B., CAMBOIM, J. C. A., NUNES, R. M. V., OLIVEIRA, S. X. Benefícios da atividade física na terceira idade para a qualidade de vida. Revista enfermagem UFPE on line, v.11, n.6, p. 2415-2422, 2017.

Disponível em: https://doi.org/10.5205/reuol.10827-96111-1-ED.1106201721. Acesso em: 29 de maio de 2024.

FIELD, A. Discovering Statistics Using IBM SPSS Statistics. 5. ed. Thousand Oaks: SAGE Publications, 2018.

FONTES, A. P. Resiliência, segundo o paradigma do desenvolvimento ao longo da vida (life-span). Kairòs: Revista de Gerontologia, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 7-25, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.23925/2176-901X.2010v13iEspecial7p%25p. Acesso em: 23 de Agosto de 2023.

FORTES-BURGOSA, A. C. G.; NERI, A. L.; CUPERTINO, A. P. F. B. Eventos estressantes, estratégias de enfrentamento, autoeficácia e sintomas depressivos entre idosos residentes na comunidade. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 74-82, 2008.

Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_serial&pid=0102-7972&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 de Agosto de 2023.

GROEPPEL-KLEIN, A. et al. The impact of age stereotypes on elderly consumers’ self-efficacy and cognitive performance. Journal of Strategic Marketing, v. 25, n. 3, p. 211-225, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1080/0965254X.2017.1299787. Acesso em: 23 de Agosto de 2023.

GUZMAN, A. B.; LACAO, R. A.; LARRACAS, C. A Structural Equation Modelling on the Factors Affecting Intolerance of Uncertainty and Worry Among a Select Group of Filipino Elderly. Educational Gerontology, v. 41, n. 2, p. 106–119, 26 ago. 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1080/03601277.2014.918837. Acesso em: 23 de Agosto de 2023.

HAUKOOS, J. S. Advanced Statistics: Bootstrapping Confidence Intervals for Statistics with “Difficult” Distributions. Academic Emergency Medicine, v. 12, n. 4, p. 360–365, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1197/j.aem.2004.11.018. Acesso em: 23 de Agosto de 2023.

HYUNG, H. M. Empowering the elderly population through ICT-based activities. Information Technology & People, v. 29, n. 2, p. 318–333, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1108/ITP-03-2015-0052. Acesso em: 12 de abril de 2023.

IBGE | Portal do IBGE | IBGE. Censo Demográfico: Características Gerais da População, região e grupo de idade, 2010. Disponível em: <http://ibge.gov.br/Censos>. Acesso em: 14 maio de 2023.

IBGE | Portal do IBGE | IBGE. População cresce, mas número de pessoas com menos de 30 anos cai 5,4% de 2012 a 2021, 2022. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/34438-populacao-cresce-mas-numero-de-pessoas-com-menos-de-30-anos-cai-5-4-de-2012-a-2021>. Acesso em: 29 maio de 2024.

LOPES, V. R.; MARTINS, M. DO C. F. Validação fatorial da escala de resiliência de connor-davidson (CD-RISC-10) para brasileiros. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, v. 11, n. 2, p. 36–50, 1 dez. 2011. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-66572011000200004&lng=pt&tlng=pt. Acesso em:12 de abril de 2023.

MIRANDA , G. M. D., MENDES, A. D. C. G., SILVA, A. L. A. D. (2015). O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.18, n.3, p.507-519, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1809-98232016019.150140. Acesso em: 14 maio de 2023.

MONFORT, E.; M. GANDIT; N. JOUANNEAUX. Évaluation pragmatique d’un programme de stimulation cognitive informatisée. NPG. Neurologie, psychiatrie, gériatrie/NPG, v. 16, n. 96, p. 326–332, 1 dez. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.npg.2016.09.005. Acesso em: 24 de Agosto de 2023.

NASRI, F. Demografia e epidemiologia do envelhecimento: O envelhecimento populacional no Brasil. Einstein, v.6, Supl. 1, p.S4-S6, 2008.

NERI, A. L. Paradigmas e teorias em Psicologia do Envelhecimento. In E. V. de FREITAS (Org.), Tratado de geriatria e gerontologia. 4 ed. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan, 2016.

NETTO, P. M. Estudo da Velhice / Histórico, Definição do Campo e Termos Básicos. In E. V. FREITAS (Org.), Tratado de geriatria e gerontologia. 4 ed. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan, 2016.

PARISI, J. M. et al. Control beliefs and cognition over a 10-year period: Findings from the ACTIVE trial. v. 32, n. 1, p. 69–75, 1 fev. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1037/pag0000147. Acesso em: 21 de agosto de 2023.

PATRÃO, A. L.; ALVES, V. P.; NEIVA, T. PSYCHOMETRIC PROPERTIES OF THE GENERAL SELF-EFFICACY SCALE IN BRAZILIAN ELDERLY. Psicologia, Saúde & Doença, v. 18, n. 1, p. 30–38, 14 mar. 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15309/17psd180103. Acesso em:12 de abril de 2023.

PEEK, M. E. et al. Barriers and Facilitators to Shared Decision-making Among African-Americans with Diabetes. Journal of General Internal Medicine, v. 24, n. 10, p. 1135–1139, 4 jul. 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s11606-009-1047-0. Acesso em:12 de abril de 2023.

PEREIRA, K. C. R.; ALVAREZ, A. M.; TRAEBERT, J. L. Contribuição das condições sociodemográficas para a percepção da qualidade de vida em idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 14, n. 1, p. 85–95, mar. 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1809-98232011000100010. Acesso em:12 de abril de 2023.

PILETTI, N., ROSSATO, S. M., ROSSATO, G.. Psicologia do desenvolvimento humano. São Paulo: Contexto, 2014.

SCORALICK-LEMPKE, N. N.; BARBOSA, A. J. G. Educação e envelhecimento: contribuições da perspectiva Life-Span. Estudos de Psicologia (Campinas), v. 29, p. 647–655, 1 dez. 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-166X2012000500001. Acesso em:12 de abril de 2023.

TEIXEIRA, I. N. D. O.; NERI, A. L. Envelhecimento bem-sucedido: uma meta no curso da vida. Psicologia USP, v. 19, n. 1, p. 81–94, mar. 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-65642008000100010. Acesso em:12 de abril de 2023.

TOVEL, H.; CARMEL, S. Function Self-Efficacy Scale—FSES. Research on Aging, v. 38, n. 6, p. 643–664, 2 ago. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1177/0164027515596583 . Acesso em:12 de abril de 2023.

YASSUDA, M. S.; SILVA, H. S. DA. Participação em programas para a terceira idade: impacto sobre a cognição, humor e satisfação com a vida. Estudos de Psicologia (Campinas), v. 27, n. 2, p. 207–214, jun. 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-166X2010000200008. Acesso em:12 de abril de 2023.

WOZNIAK, D., FALCÃO, D. V. da S. Idosos Centenários꞉ a importância de recursos individuais psicológicos e familiares para o bem-estar. In D. V. da S. FALCÃO, L. F. ARAÚJO, J. da S. PEDROSO (Orgs.), Velhices꞉ temas emergentes nos contextos psicossocial e familiar. Campinas, SP꞉ Editora Alínea, 2016.

WONG, L. L. R., CARVALHO, J. A. O rápido processo de envelhecimento populacional do Brasil: sérios desafios para as políticas públicas. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 23, n.1, p.5-26, 2006.

Published

2024-06-11

How to Cite

Faro, L. C. de, Uribe, F. A. R., & Pedroso, J. da S. (2024). Fatores no envelhecimento saudável: estudo exploratório com idosos da região norte do Brasil. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(6), e6819 . https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-101

Issue

Section

Articles