Queda em idosos e fatores associados: estudo de base populacional em Criciúma - SC

Authors

  • Fernanda Savi Damiani de Boit
  • Antônio Augusto Schäfer
  • Camila Dallazen
  • Laís Burato
  • Vanessa Iribarrem Avena Miranda
  • Micaela Rabelo Quadra
  • Fernanda Oliveira Meller

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-015

Keywords:

idosos, envelhecimento, acidentes por quedas, saúde pública

Abstract

O envelhecimento se relaciona com alterações fisiológicas que tornam idosos mais suscetíveis a quedas. O objetivo foi avaliar a prevalência e fatores associados a quedas em idosos na cidade de Criciúma, Santa Catarina. É um estudo transversal com dados da pesquisa de base populacional Saúde da População Criciumense, conduzida em 2019 com indivíduos com 18 anos ou mais. O processo amostral ocorreu em duas etapas, com a seleção sistemática dos setores censitário e dos domicílios. Para este estudo, foram analisados apenas indivíduos com 60 anos ou mais. O desfecho foi a queda nos últimos 12 meses, e as exposições foram variáveis sociodemográficas, comportamentais, de saúde e de acessibilidade no bairro de moradia. Para avaliar as associações, utilizou-se Regressão de Poisson ajustada, com nível de significância de 5% e resultados expressos como razão de prevalência (RP). Foram estudados 368 idosos. A prevalência de queda foi 25% e 13% dos idosos tiveram fratura óssea como consequência. A prevalência de queda foi maior entre os idosos do sexo feminino (RP=1,46; IC95%1,04;2,06), com idade igual ou superior a 80 anos (RP=1,88; IC95%1,15;3,07), que moravam sozinhos (RP=1,71; IC95%1,14;2,55), cardiopatas (RP=1,51; IC95%1,01;2,24) e que utilizavam 3 ou mais medicamentos (RP=4,24; IC95%1,77;10,15). Idosos com diagnóstico de hipertensão (RP=0,51; IC95%0,33;0,79) e de câncer (RP=0,23; IC95%0,06;0,87) tiveram menor prevalência de queda. Conclui-se que diversos aspectos estão relacionados com a ocorrência de queda em idosos. Considerando estes achados e o envelhecimento populacional, ações preventivas para redução destes fatores de risco são essenciais para manutenção da qualidade de vida no envelhecimento.

References

ALMEIDA, L. M. S.; MEUCCI, R. D.; DUMITH, S. C. Prevalence of falls in elderly people: a population-based study. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 65, n. 11, p. 1397–1403, nov. 2019.

ALMEIDA, S. T. et al. Análise de fatores extrínsecos e intrínsecos que predispõem a quedas em idosos. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 58, n. 4, p. 427–433, jul. 2012.

AMBROSE, A. F.; PAUL, G.; HAUSDORFF, J. M. Risk factors for falls among older adults: A review of the literature. Maturitas, v. 75, n. 1, p. 51–61, maio 2013.

AMORIM, J. S. C. et al. Prevalência de queda grave e fatores associados em idosos brasileiros: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciência & Saúde Coletiva, v. 26, n. 1, p. 185–196, jan. 2021.

COSTA, A. I. F. C. Risco de queda no idoso em contexto comunitário. Instituto Politécnico de Viana do Castelo, 2019.

ANDERSEN, C. U. et al. Prevalence of medication-related falls in 200 consecutive elderly patients with hip fractures: a cross-sectional study. BMC Geriatrics, v. 20, n. 1, p. 121, 30 dez. 2020.

ANSAI, J. H. et al. Revisão de dois instrumentos clínicos de avaliação para predizer risco de quedas em idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 17, n. 1, p. 177–189, mar. 2014.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Orientações Técnicas para a Implementação de Linha de Cuidado para Atenção Integral à Saúde da pessoa Idosa no Sistema Único de Saúde – SUS. Brasília: [s.n.].

CARVALHO, C. J. A.; BOCCHI, S. C. M. The elderly recognizing themselves as vulnerable to falls in the concreteness of the femoral fracture. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 70, n. 2, p. 279–286, abr. 2017.

CONFORTIN, S. C. et al. Internação por queda em idosos residentes em Florianópolis, em Santa Catarina e no Brasil: tendência temporal 2006-2014. Cadernos Saúde Coletiva, v. 28, n. 2, p. 251–259, jun. 2020.

CRUZ, D. T. et al. Prevalência de quedas e fatores associados em idosos. Revista de Saúde Pública, v. 46, n. 1, p. 138–146, fev. 2012.

GIACOMINI, S. B. L.; FHON, J. R.; RODRIGUES, R. A. P. Fragilidade e risco de queda em idosos que vivem no domicílio. Acta Paulista de Enfermagem, v. 33, 1 jun. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Metodologia do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC). Microdados da amostra. Rio de Janeiro: 2022.

IPAQ RESEARCH COMMITTEE. Guidelines for data processing and analysis of the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ) - short and long forms. 2005.

LIMA, C. A. et al. Effectiveness of a physical exercise intervention program in improving functional mobility in older adults after hip fracture in later stage rehabilitation: protocol of a randomized clinical trial (REATIVE Study). BMC Geriatrics, v. 16, n. 1, p. 198, 29 dez. 2016.

LO, A. X. et al. Life‐Space Mobility Declines Associated with Incident Falls and Fractures. Journal of the American Geriatrics Society, v. 62, n. 5, p. 919–923, 14 maio 2014.

MIRANDA, D. P. et al. Quedas em idosos em ambiente domiciliar: uma revisão integrativa. Revista Enfermagem Atual In Derme, 9 out. 2019.

MONTERO‐ODASSO, M. et al. Polypharmacy, Gait Performance, and Falls in Community‐Dwelling Older Adults. Results from the Gait and Brain Study. Journal of the American Geriatrics Society, v. 67, n. 6, p. 1182–1188, 30 jun. 2019.

NASCIMENTO, J. S.; TAVARES, D. M. S. Prevalência e fatores associados a quedas em idosos. Texto & Contexto - Enfermagem, v. 25, n. 2, 2016.

NEGRINI, E. L. D. et al. Elderly persons who live alone in Brazil and their lifestyle. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 21, n. 5, p. 523–531, out. 2018.

OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Quedas.

PITCHAI, P. et al. Prevalence, risk factors, circumstances for falls and level of functional independence among geriatric population - A descriptive study. Indian Journal of Public Health, v. 63, n. 1, p. 21, 2019.

SOARES, W. J. DE S. et al. Fatores associados a quedas e quedas recorrentes em idosos: estudo de base populacional. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 17, n. 1, p. 49–60, mar. 2014.

SOUTO BARRETO, P. et al. Association of Long-term Exercise Training With Risk of Falls, Fractures, Hospitalizations, and Mortality in Older Adults. JAMA Internal Medicine, v. 179, n. 3, p. 394, 1 mar. 2019.

SOUZA, L. F. DE et al. Factors associated with risk, perception and knowledge of falls in elderly people. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 43, 2022.

TEIXEIRA, D. K. S. et al. Falls among the elderly: environmental limitations and functional losses. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 22, n. 3, 2019.

WHITE, A. M.; TOOTH, L. R.; PEETERS, G. M. E. E. Fall Risk Factors in Mid-Age Women: The Australian Longitudinal Study on Women’s Health. American Journal of Preventive Medicine, v. 54, n. 1, p. 51–63, jan. 2018.

Published

2024-06-03

How to Cite

Boit, F. S. D. de, Schäfer, A. A., Dallazen, C., Burato, L., Miranda, V. I. A., Quadra, M. R., & Meller, F. O. (2024). Queda em idosos e fatores associados: estudo de base populacional em Criciúma - SC. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(6), e7213. https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-015

Issue

Section

Articles