Os melhoramentos urbanos e os discursos contra-hegemônicos presentes na cidade do Rio de Janeiro do início do século XX

Authors

  • Roberto Gomes Monção Junior

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-030

Keywords:

cultura popular, discursos contra-hegemônicos, Rio de Janeiro, io do século XX, samba, planejamento urbano

Abstract

No início do século XX, as mudanças urbanas da cidade do Rio de Janeiro, capital federal da recém-criada República, conduziram a uma transformação cultural em prol de um ideário de modernidade nos significados das experiências. A cultura popular foi um elemento significativo para entender os diferentes segmentos sociais que vivenciaram e se adaptaram às transformações da cidade, muitas vezes como um espaço de resistência e mobilização popular. Este artigo pautou-se metodologicamente por meio de uma revisão bibliográfica, exploratória, qualitativa, apoiando-se na Análise do Discurso de Michel Pêcheux, enquanto base teórica de apoio para este percurso teórico-analítico.A cultura popular aqui cotejada – a partir de excertos de revistas da época, dos viajantes estrangeiros, do samba recém-criado e das obras de três moradores da cidade, Lima Barreto, João do Rio e Benjamim Costallat– inscreveu-se algumas vezes como espaços de resistência, perfazendo em suas narrativas, discursos contra-hegemônicos, que se afastaram da modernidade que se buscava legitimar. Nesse contexto, o estudo destaca as influências de uma diáspora cultural que emergiu na formação histórica brasileira no início do século XX, especialmente nos conflitos territoriais que marcaram a dinâmica urbana da capital federal, por meio do samba.

References

BARRETO, Lima. Bagatelas. Rio de Janeiro: Empresa de Romances Populares, 1923.

BENJAMIN, Walter. “Paris, capital do século XIX”, In: Flávio Kothe (org.). Walter Benjamin, São Paulo: Ática, Coleção Grandes Cientistas Sociais, p. 31-43, 1985.

BORGES, Gabriel Caio Correa. “Pelo Telefone” e a trajetória do samba entre a tradição e a modernidade. Boitata, v. 12, n. 23, p. 58-73, 2017.

CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. [s.l.]: Debolsillo, 2012.

CARVALHO, José Murilo. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

CHRONICA do Malho. O Malho, n. 78, p. 1-39, 1904. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/DocReader.aspx?bib=116300&pagfis=2304. Acesso em: 18 jul. 2023.

DEAK, Csaba; SCHIFFER, Sueli Ramos (orgs.). O processo de urbanização no Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2010.

FERREIRA, M.C.L. Glossário de termos do discurso. Porto Alegre: UFRGS, 2001.

GONÇALVES, Renata. Quando a questão racial é o nó da questão social. Revista Katálysis, v. 21, p. 514-522, 2018.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed.UFMG; Brasília: Representação da Unesco no Brasil, 2003.

HISTÓRIA DO SAMBA. Alguns sambas foram gravados antes de Pelo Telefone. Rio de Janeiro: Globo, 1998, v. 1.

KOWARICK, L. Capitalismo e marginalidade na América Latina. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1975.

LIMA, Nísia Trindade; HOCHMAN, Gilberto. Condenado pela raça, absolvido pela medicina: o Brasil descoberto pelo movimento sanitarista da Primeira República. Raça, ciência e sociedade, v. 1, p. 23-40, 1996.

MARZULO, E. Os pobres da favela e cité no cinema: Cidade de Deus e L’Esquive, In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 17., 2004. Anais..., 2004.

MATOS, Claudia. Acertei no milhar: samba e malandragem no tempo de Getúlio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista brasileira de ciências sociais, v. 32, n. 94, 2017.

O'DONNELL, Júlia. A cidade branca: Benjamim Costallat e o Rio de Janeiro dos anos 1920c. História Social, n. 22/23, p. 117-141, 2012

ORLANDI, Eni Puccinelli. A Análise de discurso em suas diferentes tradições intelectuais: o Brasil. In: SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DE DISCURSO, 10., 2003. Anais..., Porto Alegre: UFRGS, 2003.

ORLANDI, Eni Puccinelli. A casa e a rua: uma relação política e social. Educação e realidade, v. 36, n. 03, p. 693-703, 2011.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Texto e discurso. Organon, v. 9, n. 23, 1995.

ORLANDI, E. A Linguagem e seu funcionamento. Brasiliense, São Paulo, 1983.

PECHMAN, Sérgio; FRITSCH, Lilian. A reforma urbana e o seu avesso: algumas considerações a propósito da modernização do Distrito Federal na virada do século. Revista Brasileira de História, v. 5, n. 8/9, p. 139-195, 1985.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 1997.

QUIJANO, A. Notas sobre o conceito de marginalidade. In: PEREIRA, L. (Org.), Populações marginais. São Paulo: Duas Cidades, 1978.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. A Colonialidade do Saber: etnocentrismo e ciências sociais–Perspectivas Latinoamericanas. Buenos Aires: Clacso, p. 107-126, 2005.

REIS, Letícia Vidor de Souza. "O que o rei não viu": música popular e nacionalidade no Rio de Janeiro da primeira república. Rev. Estudos afro-asiáticos, v. 25, n. 2, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-

X2003000200003&lng=en&nrm=iso. Acesso em 22 mar. 2023.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Global, 2015.

RIO, João do. A alma encantadora das ruas. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional. 1908. Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/livros_eletronicos. Acesso em: 02 jun. 2023

RIO, João do. As Religiões do Rio. Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1976

ROCHA, Oswaldo Porto Rocha. A era das demolições. 2. ed. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal da Cultura, 1995.

ROMANELLI, Francisco Antonio. Samba e desacato em Sinhô:" rei" do samba," rei" da polêmica. Revista Memento, v. 4, n. 2, 2014.

SANTOS, Milton. Pensando o espaço do homem. São Paulo: Hucitec, 1982.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado, fundamentos

Teórico e metodológico da geografia. São Paulo: Hucitec, 1988.

SANTOS, Milton. Por uma Geografia Nova. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1980

SANTOS, M. A natureza do espaço: espaço e tempo: razão e emoção. 3 ed. São Paulo: Hucitech, 1997.

SIQUEIRA, Magno Bissoli. Samba e identidade nacional: das origens à Era Vargas. [s.l.]: Editora Unesp, 2012.

SEVCENKO, N. A capital irradiante: técnica, ritmos e ritos do rio. In: SEVCENKO, N. (Org.). História da vida privada no Brasil. v. 3. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

TINHORÃO, José Ramos. História social da música popular brasileira. São Paulo: Editora 34, 1998.

UMA LIMPEZA indispensável. O Malho, n. 247, p. 1-40, 1907. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/DocReader.aspx?bib=116300&pagfis=9446. Acesso em: 18 jul. 2023.

WORMS, Luciana Salles; COSTA, Wellington Borges. Brasil século XX: ao pé da

letra da canção popular. Curitiba: Nova Didática, 2002.

Published

2024-06-05

How to Cite

Monção Junior, R. G. (2024). Os melhoramentos urbanos e os discursos contra-hegemônicos presentes na cidade do Rio de Janeiro do início do século XX. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(6), e7271. https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-030

Issue

Section

Articles