Economia informal nas capitais brasileiras: desafios e soluções

Authors

  • Djalma Silva Barros Júnior
  • Jeferson de Castro Vieira

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-044

Keywords:

capitais, precarização do trabalho, segurança social, desigualdades, regularização de negócios informais

Abstract

A economia informal representa uma parte considerável da atividade econômica nas capitais brasileiras, estando associada a condições precárias de trabalho, falta de segurança social e baixa produtividade. Mas também oferece oportunidades de emprego e subsistência para indivíduos que não encontram alternativas formais de trabalho. O objetivo deste estudo foi explorar a natureza e o impacto da economia informal nas capitais dos Estados brasileiros, analisando suas peculiaridades, desafios e possíveis soluções para lidar com essa realidade complexa. A metodologia envolveu a análise de artigos científicos e de dados estatísticos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED). O estudo constatou que a informalidade do trabalho possui desafios significativos para a economia e para a sociedade. Caracterizada pela falta de registro formal e de proteção social, abrange uma ampla gama de atividades econômicas e formas de trabalho. Cada capital possui características peculiares, com diferenças de oportunidades, fazendo com que a informalidade no Brasil se manifeste de maneira diversa, subordinada aos interesses do capital, intensificando a precarização e as desigualdades. É necessário um esforço conjunto entre governo, setor privado e sociedade civil, com políticas inclusivas que ofereçam alternativas para a geração de renda e garantia de direitos, bem como incentivo à regularização de negócios informais, ampliação do acesso à educação e capacitação profissional, promovendo o trabalho decente, a inclusão social e o desenvolvimento econômico sustentável.

References

ALEIXO, R. No 2º trimestre, Amapá teve maior índice do país de pessoas que trabalham por conta própria. G1 – Rede Amazônica, 13 ago. 2022. Disponível em: <https://g1.globo.com/ap/amapa/trabalho-e-carreira/noticia/2022/08/13/no-2a-trimestre-amapa-teve-maior-indice-do-pais-de-pessoas-que-trabalham-por-conta-propria.ghtml>. Acesso em: 7 jul. 2023.

ALVES, Giovani. Trabalho e reestruturação produtiva no Brasil neoliberal: precarização do trabalho e redundância salarial. Rev. katálysis 12 (2). Dez 2009

CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. Novo CAGED - Maio de 2023. Disponível em: <http://pdet.mte.gov.br/novo-caged>. Acesso em: 5 jul. 2023a.

____. Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. Sumário Executivo: Estatísticas Mensais do Emprego Formal. Referência, maio de 2023. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2023b.

COSTA, S.S. Pandemia e desemprego no Brasil. Revista de Administração Pública, v.54, n.4, p.969-978, 2020.

DIÁRIO DO AMAPÁ. Projeto ‘Ambulante Legal’ regulariza empreendedores e organiza praças em Macapá. Diário do Amapá, 17 mar. 2023. Disponível em: <https://www.diariodoamapa.com.br/cadernos/cidades/projeto-ambulante-legal-regulariza-empreendedores-e-organiza-pracas-em-macapa>. Acesso em: 7 jul. 2023.

DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Ocupação cresce em posições menos complexas. Boletim Emprego em Pauta, n.23, set., p.1-7, 2022.

____. Aumento do salário-mínimo, produtividade, inflação, desemprego e informalidade: quebrando alguns mitos. Nota Especial, n.2, abr. p.1-14, 2023.

FERREIRA, E. Com informalidade em alta, mais de 14% da população de Rio Branco sobrevive de “bicos”. Acre Agora, 30 abr. 2023. Disponível em: <https://acreagora.com/2023/04/30/com-informalidade-em-alta-mais-de-14-da-populacao-de-rio-branco-sobrevive-de-bicos>. Acesso em 7 jul. 2023.

FUNDO BRASIL. Mapeamento do Trabalho Informal no Brasil. São Paulo: Fundo Brasil, 2022.

FUNDACENTRO. Organização do trabalho e segurança e saúde de motociclistas que trabalham com aplicativos. (Leo Vinicius Maia Liberato). Relatório técnico, são Paulo, 2022.

GOIÁS. Governo do Estado. Renda média em Goiás está acima da nacional. Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Serviços do Governo de Goiás, 19 maio 2023. Disponível em: <https://www.goias.gov.br/servico/43-economia/128616-renda-m%C3%A9dia-em-goi%C3%A1s-est%C3%A1-acima-da-nacional.html>. Acesso em: 7 jul. 2023.

GÓES, G. S.; MARTINS, F. S.; NASCIMENTO, J. A. S. Potencial de teletrabalho na pandemia: um retrato no Brasil e no mundo. Carta de Conjuntura, n. 47, 2020

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE, 2022.

_____. Cidades. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br>. Acesso em: 6 jul. 2023.

_____. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (SIDRA) - mar-abr-mai 2023. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/home/pnadcm>. Acesso em: 5 jul. 2023.

(acesso)IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Análise do mercado de trabalho. Mercado de Trabalho: Conjuntura e Análise, n.75, p.9-29, 2023.

MARQUES, L.; HENRIQUE, A.; TEIXEIRA, D.; ABÍLIO, L. Informalidade: realidades e possibilidades para o mercado de trabalho brasileiro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2018.

MENDES, K. Amazonas tem a terceira maior taxa de trabalhadores informais do país. G1 – Rede Amazônica, 29 mar. 2023. Disponível em: <https://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2023/03/29/amazonas-tem-a-terceira-maior-taxa-de-trabalhadores-informais-do-pais.ghtml>. Acesso em: 7 jul. 2023.

MONTEIRO, L. Informalidade avança diante do desemprego em Goiânia. O Popular, 6 já. 2021. Disponível em: <https://opopular.com.br/informalidade-avanca-diante-do-desemprego-em-goiania-1.2176844>. Acesso em: 7 jul. 2023.

MONTEIRO, S. Pesquisa do FGV IBRE reforça sinais de fragilidade do mercado de trabalho nordestino. FGV IBRE, 16 fev. 2023. Disponível em: <https://ibre.fgv.br/blog-da-conjuntura-economica/artigos/pesquisa-do-fgv-ibre-reforca-sinais-de-fragilidade-do-mercado>. Acesso em 7 jul. 2023.

MORAES, R. F. Índices de medidas legais de distanciamento social. Brasília: Ipea, 2020

NOGUEIRA, M.O. Infinitos tons de cinza: entre o formal e o informal, o Brasil se faz no semiformal. Mercado de Trabalho, v.64, p.87-97, 2018.

PEREIRA, S.O.G.; CABRAL, J.P.C. Informalidade e crise do emprego no Brasil. Revista Humanidades e Inovação, v.6, n.18, p.92-102, 2019.

PINHEIRO, C.V.A.; TOSTES, J.A. O mercado de trabalho informal na cidade de Macapá-AP. In: SEMINÁRIO PROGRAMA NACIONAL DE COOPERAÇÃO ACADÊMICA NA AMAZÔNIA (PROCAD-AMAZÔNIA), 1., 2020, Palmas, TO. Anais [...]. Palmas: PROCAD-Amazônia, 2020, p.52-62.

PIRES, J.P. Trabalho informal em Boa Vista é maior que no interior. Correio do Lavrado, 29 jul. 2019. Disponível em: <https://correiodolavrado.com.br/2019/07/29/trabalho-informal-em-boa-vista-e-maior-que-no-interior>. Acesso em: 7 jul. 2023.

RIO GRANDE DO SUL. Governo do Estado. Boletim de Trabalho do Rio Grande do Sul. v.5, n.2. Porto Alegre: Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão, 2023.

VAHDAT, V. S.; BORSARI, P. R.; LEMOS, P. R.; RIBEIRO, F. F.; BENATTI, G. S. S.; CAVALCANTE FILHO, P. G.; FARIAS, B. G. Retrato do trabalho informal no Brasil: Desafios e Caminhos de Solução. São Paulo: Fundação Arymax, B3 Social, Instituto Veredas, 2022. Disponível em: https://retratodotrabalhoinformal.com.br/website/wp-content/uploads/2022/06/Retra- to-do-Trabalho-Informal-no-Brasil.pdf. Acesso em: 10 mar. 2024.

Published

2024-06-05

How to Cite

Barros Júnior, D. S., & Vieira, J. de C. (2024). Economia informal nas capitais brasileiras: desafios e soluções. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(6), e7285. https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-044

Issue

Section

Articles