A importância do estado de flow para uma melhor performance profissional para o atleta de futebol

Authors

  • Lincol Nunes Cruz
  • Fábio André Varela Gomes
  • Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-046

Keywords:

flow, atletas, psicologia do esporte, neurociência

Abstract

O presente artigo propõe uma revisão sistemática dos estudos acerca do Estado de Flow em atletas, com foco na apresentação de um estudo de caso que destaca suas características em atletas engajados em modalidades esportivas individuais ou coletivas em nível profissional, neste estudo, com ênfase em jogadores de futebol. O objetivo é destacar como esse estado mental pode significativamente aprimorar o desempenho esportivo, destacando a importância crucial da saúde mental nesse processo de desenvolvimento. Este estudo traz consigo resultados concretos que demonstram como alcançar essa imersão pode resultar em um aumento na taxa de aprendizado em velocidade significativa, e impulsionar sua aprendizagem mais veloz em comparação com seu estado anterior antes de experienciar o estado de flow e com isto, a performance em campo do jogador é exponencialmente aumentada. Serão explorados diversos benefícios provenientes da integração harmoniosa entre o Estado de Flow e o cuidado com a saúde mental, como exemplo: maior autoconfiança, desenvolvimento de hábitos positivos, estímulo à criatividade e inovação - tanto dentro como fora do campo -, maior foco durante as atividades diárias e durante as partidas, visando maximizar o potencial do atleta, resultando em melhores tomadas de decisões em um curto espaço de tempo. A compreensão aprofundada desse fenômeno no contexto esportivo não apenas facilita o engajamento, mas também promove um controle emocional mais efetivo tanto para os jogadores quanto para todos os praticantes de atividades físicas. Além das discussões abordadas, este artigo também explora estudos neurocientíficos que se conectam ao estado de flow.

References

CSIKSZENTMIHALYI, M. Beyond boredom and anxiety: Experiencing Flow in Work and Play (2nd ed.)..2000 San Francisco: Jossey-Bass.

ENGESER, S., & RHEINBERG, F. Flow, performance and moderators of challenge-skill balance. 2008. Motivation and Emotion, 32(3), 158–172. https://doi.org/10.1007/s11031-008-9102-4. Disponível em: https://psycnet.apa.org/record/2008-14771-002. Acesso em março 2024.

GRAYBIEL, A. M. The basal ganglia: learning new tricks and loving it. Current Opinion in Neurobiology.2005. Epub 2005 Nov 3. PMID: 16271465. DOI: 10.1016/j.conb.2005.10.006 Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/16271465/. Acesso em março 2024.

HALTER, J. A., CARP, J. S., & WOLPAW, J. R.. Operantly conditioned motoneuron plasticity: Possible role of sodium channels. 1995. Journal of Neurophysiology, 73(2), 867–871. DOI: 10.1152/jn.1995.73.2.867. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/7760141/. Acesso em março 2024.

JACKSON, S. A. Toward a conceptual understanding of the flow experience in elite athletes. 1996 Research Quarterly for Exercise and Sport, 67, 76–90. DOI: 10.1080/02701367.1996.10607928. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/8735997/. Acesso em março 2024.

LÓPEZ TORRES, M. R. Características y Relaciones de “Flow”, Ansiedad y Estado Emocional con el Rendimiento Deportivo en Deportistas de Elite. 2006. Tesis Doctoral, Universitat Autònoma de Barcelona. Disponível em: https://ddd.uab.cat/pub/tesis/2006/tdx-0216107-163710/mlt1de1.pdf. Acesso em março 2024.

RAMANATHAN, D., CONNER, J. M., & TUSZYNSKI, M. H. A form of motor cortical plasticity that correlates with recovery of function after brain injury. 2006. PubMed. DOI: 10.1073/pnas.0601065103 Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/16837575/. Acesso março de 2024.

STAVROU, N. A., JACKSON, S. A., ZERVAS, Y., & KARTEROLIOTIS, K. Flow experience and athletes’ performance with reference to the orthogonal model of flow. 2007. The Sport Psychologist, 21(4), 438–457. https://doi.org/10.1123/tsp.21.4.438 Disponível em: https://psycnet.apa.org/record/2007-19535-005 Acesso março de 2024.

STUTTIE, John. Eight tips for fostering flow in the classroom. 2012. Greater Good Science Center. Disponível em: https://greatergood.berkeley.edu/article/item/eight_tips_for_fostering_flow_in_the_classroom#thank-influence Acesso março 2024.

SUR, M., & LEAMEY, C. Development and plasticity of cortical areas and networks. 2001. Nature Reviews Neuroscience, 2, 251–262. https://doi.org/10.1038/35067562. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/12049433_Development_and_plasticity_of_cortical_areas_and_networks. Acesso março 2024.

WANNER, B., LADOUCEUR, R., AUCLAIR, A. V., & VITARO, F. Flow and dissociation: Examination of mean levels, cross-links, and links to emotional well-being across sports and recreational and pathological gambling. 2006. Journal of Gambling Studies, 22(3), 289–304. https://doi.org/10.1007/s10899-006-9017-5. Disponível em: https://awspntest.apa.org/record/2007-13931-003 Acesso março 2024.

WEINBERG, R., & GOULD, D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício 2017(6ª ed.). Porto Alegre: Artmed. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/5640340/mod_resource/content/1/COES%C3%83O%20DE%20GRUPO%20-%20Fundamentos%20da%20psicologia%20do%20esporte%20e%20do%20exerc%C3%ADcio.%20%281%29%20%281%29.pdf Acesso março 2024.

Published

2024-06-05

How to Cite

Cruz, L. N., Gomes, F. A. V., & Rodrigues, F. de A. A. (2024). A importância do estado de flow para uma melhor performance profissional para o atleta de futebol. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(6), e7287 . https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-046

Issue

Section

Articles