Estabelecimento do grau de assoreamento de reservatórios de água

Authors

  • Leonardo do Vale Abreu
  • Italo Oliveira Ferreira
  • Victória Gibrim Teixeira
  • Laura Coelho de Andrade
  • Nilcilene das Graças Medeiros
  • Afonso de Paula dos Santos
  • William Rodrigo dal Poz

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-060

Keywords:

geoestatística, estatística descritiva, batimetria, assoreamento

Abstract

Os corpos d’água interiores, existentes no território nacional, são de suma importância para o abastecimento hídrico da população e seu monitoramento contínuo é útil para uma adequada gestão hídrica de um município, estado ou país. O levantamento batimétrico possibilita o conhecimento sistêmico da profundidade de reservatórios e, consequentemente, o respectivo volume útil de água e o cálculo do assoreamento. No entanto, não existem metodologias na literatura que tratam da problemática acerca do nível de significância do assoreamento encontrado. Neste trabalho foram utilizados métodos estatísticos e geoestatísticos para avaliação do grau de assoreamento de reservatórios de abastecimento hídrico. Foram criados dois Modelos Digitais de Superfície (MDS) para a área de estudo em 2012 e 2022. A análise de normalidade dos resíduos confirmou a distribuição normal, respaldada pelo teste de Kolmogorov-Smirnov e Q-Q Plot. Para avaliar o grau de assoreamento, o teste t de Student unilateral foi aplicado, indicando uma redução significativa no reservatório entre 2012 e 2022, corroborando a diminuição do volume.

References

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Orientações para atualização das curvas cota x área x volume. 2013.

AGUIAR, A. C. N. et al. Mapeamento topo-batimétrico de reservatório utilizando LIDAR e batimetria no Lago Paranoá–DF. In: 16th International Congress of the Brazilian Geophysical Society. 2019. p. 1-4.

ALVIM, A. M.; CHAUDHRY, F. H. Modelo matemático do assoreamento de reservatórios. Anais do Simpósio Brasileiro de Hidrologia e Recursos Hídricos, 1987.

BARBOSA, M. A. G. A. Avaliação do assoreamento no reservatório do Lobo-Itirapina/SP: comparação entre os levantamentos batimétricos de 2010 e 2018. Tese de Doutorado, 2019.

CABRAL, J. B. P. Estudo do processo de assoreamento em reservatórios. Caminhos de geografia, v. 6, n. 14, p. 62-69, 2005.

CAMPAGNOLI, F.; DINIZ, N. C. Gestão de reservatórios de hidrelétricas. Oficina de Textos, 2017.

CARVALHO N. O.; CATHARINO M.G. Avaliação do assoreamento de reservatório da UHE Itaipu. In: X Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. I Simpósio de Recursos Hídricos do Cone Sul. 174-183p. V5. 1993.

CARVALHO, N. O; FILIZOLA Jr., SANTOS, P. M. C; LIMA, J. E. F. W. - Guia de avaliação de assoreamento de reservatórios Brasília: ANEEL, 185p. 2000.

DE ALMEIDA, T. A. et al. Análise estatística espacial aplicada a construção de superfícies batimétricas. Geociências, v. 33, n. 4, p. 596-615, 2014.

DIGGLE, P. J.; RIBEIRO Jr., P. J. Model-based Geostatistics. New York: Springer, 229p., 2007.

DOOB, J. L. Heuristic approach to the Kolmogorov-Smirnov theorems. The Annals of Mathematical Statistics, v. 20, n. 3, p. 393-403, 1949.

EFRON, B.; TIBISHIRANI, R. J. An Introduction to the Bootstrap. New York: Chapman & Hall, 436p., 1993.

FERREIRA, I. O. et al. Point to point: an alternative method for extracting “homologous points” in bathymetric data collected with a multibeam system. Boletim de Ciências Geodésicas, v. 27, 2021.

FERREIRA, I. O. et al. Modelo de incerteza para sondadores de feixe simples. Revista Brasileira de Cartografia, v. 68, n. 5, p. 863-881, 2016.

FERREIRA, Í. O.; SANTOS, G. R.; RODRIGUES, D. D. Estudo sobre a utilização adequada da krigagem na representação computacional de superfícies batimétricas. Revista Brasileira de Cartografia, Rio de Janeiro, v. 65, n. 5, p. 831-842, 2013.

HÖHLE, J.; HÖHLE, M. Accuracy assessment of digital elevation models by means of robust statistical methods. ISPRS Journal of Photogrammetry and Remote Sensing, v. 64, n. 4, p. 398-406, 2009.

IHO - INTERNATIONAL HYDROGRAPHIC ORGANIZATION. Manual on Hydrography. Mônaco: International Hydrographic Bureau, 2005. 540p.

LOPES, J. E. G.; SANTOS, R. C. P. Capacidade de reservatórios. São Paulo: Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 2002.

MACHADO, A. F.; DE ALMEIDA, A. C.; ARAÚJO, A. C.; FERRARI, D.; LEMES, Í. R.; FARIA, N. C. S.; LIMA, T. S.; FERNANDES, R. A. Aplicação de testes de normalidade em publicações nacionais: levantamento bibliográfico. Colloquium Vitae; v. 6, n.1, p. 01-10, 2014.

MEZINE, W. A., SOARES, M. A., FAGGION, P. L., VEIGA, L. A. K., & NADAL, C. A. Avaliação de métodos de redução de sondagens batimétricas ao nível d’água instantâneo para monitoramento de assoreamento: estudo de caso do reservatório da usina hidrelétrica Mauá. Boletim de Ciências Geodésicas, 22, 736-750.2016.

MORETTIN, P. A.; BUSSAB, W. O. Estatística básica. 5ª ed. São Paulo: Editora Saraiva, 526p., 2004.

PAIXÃO, L. M. D. IMPACTOS DA ESCASSEZ DE ÁGUA NA ECONOMIA. Resolução-Revista de direito e ciências gerenciais, v. 1, n. 1, p. 151-163, 2016.

RIBEIRO Jr., P.J.; DIGGLE, P.J. GeoR: a package for geostatistical analysis. RNews. v.1, p. 15-18, 2001.

SANTOS, A. P. Controle de qualidade cartográfica: metodologias para avaliação da acurácia posicional em dados espaciais. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 172p., 2015.

SANTOS, F. C. M. Ferreira, I. O.; ANDRADE, L. C.; Teixeira, V. G. Avaliação Qualitativa e Quantitativa da Ferramenta de Pré-seleção Sort para Dados Monofeixe e Multifeixe. RBC. Revista Brasileira de Cartografia (online), v. 71, p. 1064-1088, 2019.

SHAPIRO, S. S.; WILK, M. B. An analysis of variance test for normality (complete samples). Biometrika, v. 52, n. 3/4, p. 591-611, 1965.

SIEGEL, S. CASTELLAN JR, N.J. Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento. Edição: Artimed, 2006. 448p.

VIEIRA, S. R. Geoestatística em estudos de variabilidade espacial do solo. In. NOVAES, R. F.; ALVAREZ V.; V. H.; SCHAEFER, C. E G. R. Tópicos em ciências do solo. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, v.1. p. 2-54, 2000.

Published

2024-06-06

How to Cite

Abreu, L. do V., Ferreira, I. O., Teixeira, V. G., Andrade, L. C. de, Medeiros, N. das G., Santos, A. de P. dos, & Poz, W. R. dal. (2024). Estabelecimento do grau de assoreamento de reservatórios de água. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(6), e7301 . https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-060

Issue

Section

Articles