Parto domiciliar: uma revisão de revisões sistemáticas

Authors

  • Aurélio Molina da Costa
  • Rafaella Montagnier Eskenazi de Lima
  • Rebeca Marília Apolinário da Silva
  • Marina Baltar de Albuquerque
  • Maria Luisa Cavalcanti Duarte
  • Norma de Assunção
  • Isabel Cristina Ramos Vieira dos Santos
  • Geyslane Pereira Melo de Albuquerque

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-069

Keywords:

saúde da criança, saúde da mulher, parto, parto domiciliar

Abstract

Introdução: o parto domiciliar vem se tornando uma escolha para muitas gestantes sendo necessário avaliar a segurança desse tipo de opção para o binômio parturiente-neonato. Para tanto foi realizada uma revisão sistematizada da literatura científica que respondesse à seguinte pergunta PICO: “quais os riscos e benefícios do parto domiciliar, comparado com o parto hospitalar, para a parturiente e o neonato?”. Métodos: Overview de revisões sistemáticas, sem corte temporal, a partir da seleção de artigos completos e de livre acesso em 3 bases de dados (LILACS, MEDLINE/PubMed e Cochrane Library), nos idiomas inglês, português e espanhol. Resultados: Das 225 revisões iniciais sete foram incluídas na amostra final, das quais 5 realizaram meta-análises. Os dados foram obtidos de diferentes contextos socioeconômicos e ambientes/estruturação de apoio/integração dos sistemas de saúde com a alternativa do parto domiciliar. Conclusão: As revisões selecionadas sugerem que o parto domiciliar pode ser uma opção segura e com resultados semelhantes ao parto hospitalar para gestantes de baixo risco, quando realizado em países desenvolvidos e que tenham essa opção bem integrada aos seus sistemas formais de saúde. As altas taxas de transferências sugerem que uma boa integração com o sistema de saúde formal deveria ser uma condição sine qua non para a realização do parto domiciliar.

References

AGÊNCIA BRASIL. teve, em 2021, 107 mortes de mães a cada 100 mil nascimentos. Disponível em: <https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2022-05/brasil-teve-em-2021-media-de-107-mortes-cada-100-mil-nascimentos>. Acesso em: 23 de nov 2023.

ALMEIDA, A. C.; JESUS, A.C.P.; LIMA, P.F.T.; ARAUJO, M.F.M.; ARAUJO, T.M. Fatores de risco maternos para prematuridade em uma maternidade pública de Imperatriz-MA. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre v. 33, n. 2, p. 86–94, jun. 2012.

BLIX, E.; KUMLE, M.; Hanne Kjærgaard, H.; Øian, P.; Lindgren, H. E. Transfer to hospital in planned home births: a systematic review. BMC Pregnancy and Childbirth, v. 14, n. 1, 29 maio 2014.

CHINKHUMBA, J.; Allegri, M.; Muula, A.S.; Robberstad, B. Maternal and perinatal mortality by place of delivery in sub-Saharan Africa: a meta-analysis of population-based cohort studies. BMC Public Health, v. 14, n. 1, 28 set. 2014.

CURSINO, T.; BENINCASA, M. Parto domiciliar planejado no Brasil: uma revisão sistemática nacional. 6 abr. 2020.

HUTTON, E. K.; REISTMA, A.; SIMIONI, J.; BRUNTON, G.; KAUFMAN, K. Perinatal or neonatal mortality among women who intend at the onset of labour to give birth at home compared to women of low obstetrical risk who intend to give birth in hospital: A systematic review and meta-analyses. E Clinical Medicine, v. 14, n. 14, p. 59–70, set. 2019.

JORNALUSP. Taxa de mortalidade materna no Brasil cresce principalmente por falta de recursos. Disponível em: <https://jornal.usp.br/atualidades/taxa-de-mortalidade-materna-no-brasil-cresce-principalmente-por-falta-de-recursos/>. Acesso em: 23 de nov 2023.

LEAL, M. C.; PEREIRA, A.P.E.; DOMINGUES, R.M.S.M.; THEME FILHA, M.M.; DIAS, M.A.B.; NAKAMURA-PEREIRA, M.; et al. Obstetric interventions during labor and childbirth in Brazilian low-risk women. Cadernos de Saúde Pública, v. 30, p. S17–S32, 2014.

MAGLUTA. Internação de recém-nascidos de risco em unidades de terapia intensiva neonatal no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, jul. 2021.

NEWS. Unicef e OMS dizem que taxas de mortalidade materno-infantil nunca foram tão baixas | ONU News. Disponível em: <https://news.un.org/pt/story/2019/09/1687532#:~:text=Segundo%20a%20OMS%2C%20mulheres%20e>. Acesso em: 20 de nov 2023.

ONU. A razão da mortalidade materna no Brasil aumentou 94% durante a pandemia. Fundo de População da ONU alerta para grave retrocesso. Disponível em: <https://brazil.unfpa.org/pt-br/news/razao-da-mortalidade-materna-no-brasil-aumentou-94-durante-pandemia-fundo-de-populacao-da-onu#:~:text=Em%202021%2C%20a%20raz%C3%A3o%20de>. Acesso em: 21 de nov 2023.

PREZOTTO, K. Oliveira, R, R.; PELLOSO, S. M.; FERNANDES, C.A.M.Tendência da mortalidade neonatal evitável nos Estados do Brasil. Revista Brasileira De Saúde Materno Infantil, v. 21, n. p. 291-299, 1 mar. 2021.

REITSMA, A.; Simioni, J.; Brunton, G.; Kaufman, K.; Hutton, EK. Maternal Outcomes and Birth Interventions among Women Who Begin Labour Intending to Give Birth at Home Compared to Women of Low Obstetrical Risk Who Intend to Give Birth in hospital: a Systematic Review and meta-analyses. EClinicalMedicine, v. 21, n. 100319, p. 100319, abr. 2020.

SANTOS, C. M. DA C.; PIMENTA, C. A. DE M.; NOBRE, M. R. C. The PICO strategy for the research question construction and evidence search. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 15, n. 3, p. 508–511, jun. 2007.

SCARF, V. L.; ROSSITER, C.; VEDAM, S.; DAHLEN, H.G.; ELLWOOD, D.; FORSTER, D.; et al. Maternal and perinatal outcomes by planned place of birth among women with low-risk pregnancies in high-income countries: A systematic review and meta-analysis. Midwifery, v. 62, n. 62, p. 240–255, jul. 2018.

SETIC-UFSC. Risco de viés em revisões sistemáticas: guia prático (COBE/UFSC). Disponível em: <https://guiariscodeviescobe.paginas.ufsc.br/capitulo-14-analise-da-qualidade-metodologica-de-revisoes-sistematicas-com-a-ferramenta-amstar-2/>. Acesso em: 23 de nov 2023.

SHEA, B. J.; REEVES, B.C.; WELLS, G.; THUKU, M.; HAMEL, C.; MOREN, J.; et al. AMSTAR 2: a critical appraisal tool for systematic reviews that include randomised or non-randomised studies of healthcare interventions, or both. BMJ, v. 358, n. 8122, 21 set. 2017.

SILVEIRA, K.; BERGAMIN, P.L.; LIMA, U.T.S.; BELETINE, A.; BATISTA, A.L.; BALDISSERA, L.P.B. Principais causas de internamento na UTI neonatal: Uma pesquisa em um hospital do oeste do Paraná. Acta Elit Salutis, v. 7, n. 1, 13 set. 2022.

TAVARES, D. Complicações decorrentes do parto abdominal para puérperas. Congresso Nacional de Inovações em Saúde, 2021.

TURA, G.; FANTAHUN, M.; WORKU, A. The effect of health facility delivery on neonatal mortality: systematic review and meta-analysis. BMC Pregnancy and Childbirth, v. 13, n. 1, 22 jan. 2013.

Published

2024-06-07

How to Cite

Costa, A. M. da, Lima, R. M. E. de, Silva, R. M. A. da, Albuquerque, M. B. de, Duarte, M. L. C., Assunção, N. de, Santos, I. C. R. V. dos, & Albuquerque, G. P. M. de. (2024). Parto domiciliar: uma revisão de revisões sistemáticas. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(6), e7323. https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-069

Issue

Section

Articles