Sementes de Juerana branca (Albizia pedicellaris (DC) L. Rico): métodos alternativos para a superação da dormência na Amazônia

Authors

  • Henrique da Silva Barata
  • Allan Christiam Santos Ramires
  • Paulo Henrique Carvalho de Castro
  • Lauizy de Andrade Bezerra
  • Anne Louise Meireles Contreiras Oliveira
  • Dênmora Gomes de Araújo

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-077

Keywords:

sementes nativas, germinação, vigor de plântulas, qualidade de sementes

Abstract

A Albizia pedicellaris é uma espécie nativa das florestas brasileiras que contribui para a biodiversidade das matas nativas, auxiliando na manutenção das características edafoclimáticas da região. Essa espécie apresenta elevado número de sementes quando atinge o estágio reprodutivo, no entanto, essas sementes apresentam dormência tegumentar, prolongando o tempo de germinação, sendo esses os fatores limitantes para a obtenção uniforme de mudas. Desta forma, objetivou-se no presente trabalho, avaliar diferentes métodos pré-germinativos para promover a superação de dormência das sementes de Juerana branca (Albizia pedicellaris), visando obter o maior número de plântulas normais. O experimento foi conduzido no Laboratório Didático de Análise de Sementes da Universidade Federal Rural da Amazônia, Campus sede, em Belém do Pará. Utilizou-se os seguintes métodos de superação de dormência de sementes ortodoxas: sementes intactas (T1), desponte das sementes (T2), desponte mais embebição em água por 24h (T3), imersão das sementes em ácido sulfúrico a 10 minutos (T4), imersão das sementes em ácido sulfúrico a 20 minutos (T5), imersão em hipoclorito de sódio a 2,2% durante 3h (T6) e imersão em hipoclorito de sódio a 1,1% durante 3h (T7). O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, contando com sete tratamentos, contendo quatro repetições. Foi calculado o peso de 1000 sementes, determiando-se o teor de água de 4 repetições de 40 sementes, por meio do método de estufa a 105ºC (±3) por 24h. Os testes pré-germinativos foram realizados em papel toalha germitest®, a incubação foi feita em câmara de germinação (Biochemical Oxygen Demand - B.O.D), a 25ºC (±3) durante 10 dias, onde se estabeleceu a germinação dos melhores tratamentos. Foram analisados os parâmetros de germinação (%G), o índice de velocidade de germinação (IVG), o tempo médio de germinação (TMG), Comprimento da parte aérea (CPA) e comprimento da raiz (CR) de plântulas normais. Foram determinados os pesos de massa seca da parte aérea (MSPA) e massa seca da raiz (MSR), no final do experimento analisou- se o número de plântulas normais, plântulas anormais, sementes duras e sementes mortas. Os dados foram submetidos à análise de variância por meio do teste Student-Newman-Keuls (SNK) a 5% utilizando o softwere R-Studio. As sementes de A. Pedicellaris respoderam bem aos tratamentos cuja imersão se deu em ácido sulfúrico a 10 min (T4) e 20 minutos (T5) e ao tratamento com desponte (T2), já o tratamento com desponte + embebição em água por 24 horas apresentou menor porcentagem de germinação e maior Número de sementes mortas. Sendo o tratamento com desponte (T2), o mais indicado para a produção de plântulas com mais de 80% de germinação e com custo mais barateado.

References

AFONSO, M. V.; MARTINAZZO, E. G.; AUMONDE, T. Z.; VILLELA, F. A. Parâmetros fisiológicos de mudas de Albizia niopoides produzidas em diferentes composições de substrato. Ciência Florestal, v. 27, p. 1395-1402, 2017.

ARÊAS, E. M. J.; ARÊAS, P. M. J.; CAMPELLO, E. F. C.; RESENDE, A. S. Banco de sementes do solo após 25 anos do plantio de leguminosas arbóreas em área de empréstimo-Seropédica, RJ. Ciência Florestal, v. 32, p. 698- 714, 2022.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para análise de sementes. Brasília: Ministério da Agricultura; 2009.

DUARTE, M. M.; MILANI, J. E. F.; BLUM, C. T.; NOGUEIRA, A. C. Germinação e morfologia de sementes e plântulas de Albizia edwalli (Hoehne) Barneby & JW Grimes, Revista Caatinga, v.28, p 166-173. 2015.

FERREIRA, A. L.; SILVA, V. P.; NASCIMENTO, A. D. C.; ARRUDA, J. C.; CATELAN, L. L. M.; SANDER, N. L.; SILVA, A. J. Registros de espécies arbóreas em herbário virtual com ênfase no município de Cáceres-MT, Brasil. Peer Review, v. 5, n. 16, p. 15-40, 2023.

FREIRE, J. M.; ATAÍDE, D. H. S.; ROUWS, J. R. C. Superação de dormência de sementes de Albizia pedicellaris (DC.) L. Rico. Floresta e Ambiente, v. 23, p. 251-257, 2016.

IGANCI J. R. V. Albizia in Lista de Espécies da Flora do Brasil [online]. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro; 2014.

KISSMANN, C.; SCALON, S. P. Q.; MUSSURY, R. M.; ROBAIANA, A. D. Germinação e armazenamento de sementes de Albizia hasslerii (Chod.) Burkart. Revista Brasileira de Sementes, v. 31, p. 104-115, 2009.

LABOURIAU, L. F. G. A germinação das sementes, Washington:DC: Secretaria Geral da OEA, 174 p. 1983.

MAGUIRE, J. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v.2, p.176-177, 1962.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. 2ed. Londrina: Abrates, 2015.

MORAES, C. E.; VIRGENS, W.; ROCHA, J.; TRIVELIN, D.; ZANÚNCIO, I. Características biométricas e tratamentos para a superação de dormência em sementes de juerana branca. Enciclopédia Biosfera, v. 15, n. 27, 2018.

SOUZA, M. P.; ALVES, A. R.; BAKKIE, I. A.; LOPES, J. A.; SANTOS, Welligton de Souza; FERNANDO, Emanoel Messias Pereira. Banco de sementes do solo de Caatinga submetida a plano de manejo florestal sustentável em Cuité-PB. Revista Scientia Forestalis, v. 49, n. 130, p. e3494, 2021.

ZANIN, G. D., CARDOZO, F. S.; PEREIRA, G.; SILVA, V. V.; RUFINO, P. R.; GIAROLA, L. L. Queima de biomassa no bioma Amazônia: análise da injeção e dispersão de plumas de fumaça na atmosfera. Revista do Departamento de Geografia, v. 42, p. e189114-e189114, 2022.

Published

2024-06-10

How to Cite

Barata, H. da S., Ramires, A. C. S., de Castro, P. H. C., Bezerra, L. de A., Oliveira, A. L. M. C., & Araújo, D. G. de. (2024). Sementes de Juerana branca (Albizia pedicellaris (DC) L. Rico): métodos alternativos para a superação da dormência na Amazônia . CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(6), e7356. https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-077

Issue

Section

Articles