“Diálogos que Curam”: a percepção dos pacientes sobre a comunicação dos profissionais da saúde no SUS

Authors

  • Antônio Nacílio Sousa dos Santos
  • Laécio Dias da Silva
  • Fabiane Noemi Souza dos Santos
  • Clairton Edinei dos Santos
  • Mateus Coutinho de Lima
  • Francisco Ocian de Araújo Junior
  • Emily da Silva Eberhardt
  • Edgar Luiz Neves dos Santos
  • Caroline Gabriela Gomes Amaral
  • Laís Mariana da Fonseca
  • Alan Carvalho Leandro

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-100

Keywords:

comunicação dos profissionais da saúde, relação profissional-paciente, percepção dos usuários, sistema único de saúde

Abstract

Este estudo examinou a percepção do paciente resultante da comunicação referente ao atendimento dos profissionais da saúde, considerando a linguagem como um processo dialógico (Freire, 2005). Trata-se de uma pesquisa qualitativa (Minayo, 2006; 2016), a partir de um estudo observacional (Fronteira, 2013) onde foi analisado, compreensivamente (Weber, 2007) o conjunto dos dados obtidos por meio das entrevistas com pacientes que utilizam o Sistema Único de Saúde (SUS), através da aplicação do Questionário Comportamento Comunicativo do Médico (QCCM). As entrevistas incluíram perguntas sobre as interações que o paciente teve com o profissional durante as consultas. Para responder, o paciente recorreu à memória da consulta recém-realizada e avaliou o comportamento comunicativo do médico. Alguns pacientes consideram que para um atendimento de qualidade e uma boa relação médico-paciente, o profissional deve solicitar exames, enquanto outros acreditam que realizar um exame físico, dialogar e investigar seriam/é o ideal. Entre os homens, houve uma maior prevalência da percepção de que quase nada ocorre em relação ao encorajamento, apoio não verbal e controle. Contudo, na análise por faixa etária, a prevalência de que sempre ocorre encorajamento, apoio não verbal, compreensão e relação amigável aumenta a partir dos 50 anos. Na análise por nível de escolaridade, a prevalência é inversamente proporcional, sendo maior quanto menor o nível de escolaridade, de que sempre ocorrem compreensão e relação amigável. Este estudo revelou que a percepção dos usuários decorrente da comunicação relativa ao atendimento dos profissionais médicos se manifestam nas consultas por meio das palavras, gestos, olhares, confiança e compreensão, fortalecendo este vínculo e, como consequência, eles aderem ao tratamento e às orientações propostas com maior determinação.

References

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 11ª Ed. São Paulo: Ed. Hucitec, p. 14, 2004.

FRONTEIRA I. Estudos observacionais na era da medicina baseada em evidências: breve revisão sobre sua relevância, taxonomia e desenhos. Acta Med Port [Internet]; 26(2):161-70. Disponível em: https://www.actamedicaportuguesa.com/revista/index.php/amp/article/view/3975 Acesso em 15 de Mai. de 2024.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2005.

LUCCHESE, F. A; LEDUR, P. F. Comunicação médico-paciente um acordo de cooperação. Porto Alegre: Editora AGE, 2008.

MARTINS, C. P.; LUZIO C. A. Humaniza SUS: ancorar um navio no espaço. Interface, Botucatu, v.21, n.60, p.13-22, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/icse/a/g5QhYLCVmhdNkmbkySCTRbC/abstract/?lang=pt# Acesso em 14 de Mai. de 2024.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. ver. e aprimorada. São Paulo: HUCITEC, 2006.

MESQUITA R. M. Comunicação não-verbal: relevância na atuação profissional. Revista Paulista de Educação Física, 11(2): 155-63, 1997. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rpef/article/view/138567 Acesso em: 16 de Mai. de 2024.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (ONU). Programas nacionais de controle do câncer: políticas e diretrizes gerenciais (2ª ed.). Genebra: Organização Mundial da Saúde, 2022.

PAIVA, A. C. S. Reservados e invisíveis: o ethos íntimo das parcerias homoeróticas. São Paulo, Pontes, 2007.

SANTOS, A. N. S. dos. Envelhecimento populacional no Brasil: um olhar a partir do serviço social. Humanidades & Inovação. Tocantins, v.10, n.13, p.1-12, 2023. Disponível em: file:///C:/Users/Narcilio/Downloads/7952-Texto%20do%20artigo-33139-1-10-20240221-6.pdf Acesso em: 16 de Mai. de 2024.

SANTOS, A. N. S. dos. et al. Educação permanente e atenção básica na saúde: a importância do aprimoramento do conhecimento dos profissionais que trabalham na atenção básica na saúde para a demanda da população local em um município do Estado do Ceará.

CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(5), e6661, 2024. Disponível em: https://ojs.revistacontribuciones.com/ojs/index.php/clcs/article/view/6661/4407 Acesso em 16 de Mai. de 2024.

SANTOS, A. N. S. dos. Mal-estar e utopia democrática: autonomia do conselho tutelar e as consequências para a política pública infanto-juvenil. Revista Do Instituto De Políticas Públicas De Marília, 5(2), 117–138, 2019. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/RIPPMAR/article/view/8993/6216 Acesso em 16 de Mai. de 2024.

STAM, R. Bakhtin da teoria literária à cultura de massa. 1ª ed. São Paulo: Ed. Ática, p. 32-33, 2000.

WEBER, M. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Published

2024-06-11

How to Cite

Santos, A. N. S. dos, Silva, L. D. da, Santos, F. N. S. dos, Santos, C. E. dos, Lima, M. C. de, Junior, F. O. de A., Eberhardt, E. da S., Santos, E. L. N. dos, Amaral, C. G. G., Fonseca, L. M. da, & Leandro, A. C. (2024). “Diálogos que Curam”: a percepção dos pacientes sobre a comunicação dos profissionais da saúde no SUS. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(6), e7404 . https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-100

Issue

Section

Articles