Análise dos benefícios do desenvolvimento de vacinas contra Leishmaniose em relação ao tratamento clássico

Authors

  • Lucas Rocha Santana da Silva
  • Luiza Rocha Santana da Silva
  • Fernanda Paim Braga da Silva
  • Fabiane Holanda Batista Porfírio da Rocha
  • Yane Keli dos Santos Costa
  • Davi Carvalho Barros Bezerra
  • Leonardo de Lucca Sousa Lima
  • Adolpho Dias Chiacchio

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-109

Keywords:

leishmaniose, tratamento medicamentoso, vacina, profilaxia

Abstract

Introdução: O tratamento da leishmaniose em humanos enfrenta desafios como resistência aos fármacos e abandono do tratamento. Nesse contexto, a busca por uma vacina eficaz se mostra crucial como medida profilática. Este estudo compara tratamento medicamentoso e vacinação. Metodologia: Realizou-se uma revisão integrativa com os descritores "leishmaniose", "tratamento", “vacina” e “prevenção” em bases de dados como PUBMED, Scielo, Medscape e DATASUS Tabnet. Resultado: O tratamento medicamentoso inclui três linhas de medicamentos, cada uma com desafios distintos. Por outro lado, a vacinação é vista como medida primordial de imunoprofilaxia, com diferentes gerações de vacinas, incluindo as baseadas no DNA do parasito.Discussão: Em países em desenvolvimento, como o Brasil, a necessidade de um tratamento eficaz e acessível é premente. A vacinação apresenta vantagens em custo e eficácia, porém são necessários mais estudos para consolidar essa forma de prevenção. Considerações Finais: Investir em vacinas contra a leishmaniose oferece vantagens em custo e eficácia comparado ao tratamento medicamentoso. Diante das falhas do tratamento convencional, a vacinação emerge como uma promissora estratégia de prevenção.

References

AFRIN, F.; RAJESH, R.; ANAM, K.; GOPINATH, M.; PAL, S.; ALI, N. Caracterização de antígenos de Leishmania donovani encapsulados em lipossomas que induzem imunidade protetora em camundongos BALB/c. Infect Immun, v. 70, n. 12, p. 6697–6706, 2002.

AMATO, V. S. Utilização do isotionato de pentamidina para o tratamento da leishmaniose mucosa. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 30, n. 6, p. 529–530, nov. 1997.

ARMIJOS R. X.; WEIGEL M. M.; ROMERO L.; GARCIA V.; SALAZAR J. Ensaio de campo de uma vacina contra a leishmaniose cutânea do novo mundo numa população infantil em risco: quanto tempo dura a protecção? J Infect Dis., v. 187, n. 12, p. 1959–1961, 2003.

ARMIJOS, R X.; WEIGEL, M M.; AVILÉS, H.; MALDONADO, R.; RACINES, J.. Ensaio de campo de uma vacina contra a leishmaniose cutânea do Novo Mundo em uma população infantil de risco: segurança, imunogenicidade e eficácia durante os primeiros 12 meses de acompanhamento. J Infect Dis, v. 177, n. 5, p. 1352-7, mai. 1998.

BACELLAR O.; LESSA H.; SCHRIEFER A.; et al. Regulação positiva de respostas do tipo Th1 em pacientes com leishmaniose mucosa. Infectar imunidade, v. 70, n. 12, p. 6734–6740, 2002.

BANDI, C.; MENDOZA-ROLDAN J A.; OTRANTO, D.; ALVARO, A.; LOUZADA-FLORES, V N.; PAJORO M.; VAROTTO-BOCCAZI, I.; BRILLI, M.; MANETTI, A.; MONTOMOLI, E.; ZOCCOTTI, G.; EPIS, S. Leishmania tarentolae: a vaccine platform to target dendritic cells and a surrogate pathogen for next generation vaccine research in leishmaniases and viral infections. Parasit Vectors, v. 16, n. 1, p. 35, 2023.

BEBERT, T. R. N.; MELLO, T. F. P. DE.; NASSIF, P. W.; MOTA, C. A.; SILVEIRA, A. V.; DUARTE, G. C.; DEMARCHI, I. G.; ARISTIDES, S. M. A.; LONARDONI, M. V. C.; TEIXEIRA, J. J. V.; SILVEIRA, T. G. V. Antimoniais pentavalentes combinados com outras alternativas terapêuticas para o tratamento da leishmaniose cutânea e mucocutânea: uma revisão sistemática. Dermatol Res Pract, v. 2018, 2018.

BRITO, R.; CARDOSO, J.; REIS, L.; VIEIRA, J.; MATHIAS, F.; ROATT, B.; AGUIAR-SOARES, R.; RUIZ, J.; RESENDE, D.; REIS, A. Peptide Vaccines for Leishmaniasis. Front Immunol, [s. l.], 11 Maio 2018.

CAVALCANTE, F.; CAVALCANTE, K.; MORENO, J.; FLOR, S.; ALENCAR, C. Leishmaniose visceral: aspectos epidemiológicos, espaciais e temporais no município de Sobral, nordeste do Brasil. J. Health Biol Sci., [s. l.], v. 10, n. 1, p. 1 - 8, 2022.

CONCEIÇÃO J.; DAVIS R.; CARNEIRO P. P.; et al. Caracterização da função neutrofílica na leishmaniose cutânea humana causada por leishmania braziliensis. PLoS Negl Trop Dis., v. 10, n. 5, p. e0004715, 2016.

CONTI, R. & JUNIOR, V. Abordagem terapêutica da Leishmaniose Visceral no Brasil -revisão para clínicos. Revista de Medicina e Saúde de Brasília, [s. l.], 2015.

COSTA FILHO A. V da.; LUCAS Í. C.; SAMPAIO R. N. R. Estudo comparativo entre miltefosina oral e antimoniato de N-metil glucamina parenteral no tratamento da leishmaniose experimental causada por Leishmania (Leishmania) amazonensis. Rev Soc Bras Med Trop [Internet], v. 41, n. 4, p. 424 – 427, jul. 2008.

DAGERT, et al. Síntese de um complexo antimonial pentavalente (Ulamin) e sua aplicação experimental para o tratamento da leishmaniose cutânea localizada na Venezuela. Bol Mal Salud Amb , Maracay, v. 46, n. 1, pág. 59-65, julho. 2006.

DUTHIE M. S.; FAVILA M.; HOFMEYER K. A.; et al. Avaliação estratégica de antígenos candidatos as vacinas para a prevenção da leishmaniose visceral. Vacina, v. 34, n. 25, p. 2779–2786, 2016.

DUTHIE, M S.; FAVILA, M.; HOFMEYER, K A.; TUTTERROW, Y L.; REED, S J.; LAURANCE, J D.; PICONE, A.; GUDERIAN, J.; BAILOR, H. R.; VALLUR, A C.; LIANG, H.; MOHAMATH, R.; VERGARA, J.; HOWARD, R F.; COLER, R N.; REED, S G. Avaliação estratégica de antígenos candidatos a vacinas para prevenção da Leishmaniose Visceral. Vaccine, v. 34, n. 25, p. 2779–2786, 2016.

DYNAMED. Visão geral dos medicamentos antiprotozoários. Serviços de informação EBSCO. Disponível em: <https://www.dynamed.com/drug-review/antiprotozoal-drugs-overview >. Acesso em 15 de janeiro de 2024.

DYNAMED. Visceral Leishmaniasis. EBSCO Information Services. Disponível em: <https://www.dynamed.com/condition/visceral-leishmaniasis>. Acesso em: 15 de janeiro de 2024.

FIOCRUZ. As Leishmanioses, 1997. Disponível em: http://www.dbbm.fiocruz.br/tropical/leishman/leishext/html/vacina__o.htm. Acesso em: 24 jan. 2024.

FREITAS-JUNIOR L. H.; CHATELAIN E.; KIM H. A.; SIQUEIRA-NETO J. L. Tratamento da leishmaniose visceral: o que temos, do que precisamos e como aplicá-lo? Int J Parasitol Drug Resist., v. 2, p. 11–19, 2012.

GHOLAMI E.; ZAHEDIFARD F.; RAFATI S. Sistemas de entrega para Leishmania desenvolvimento de vacinas. Especialista Rev Vacinas, v. 15, n. 7, p. 879–895, 2016.

GHORBANI , M.; FARHOUDI , R. Leishmaniasis in humans: drug or vaccine therapy?. Drug Des Devel Ther, v. 12, n. 1, p. 25-40, 2018.

GONTIJO, B.; CARVALHO, M. DE L. R. DE.. Leishmaniose tegumentar americana. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 36, n. 1, p. 71–80, jan. 2003.

GONZALO R. M.; DEL REAL G.; RODRIGUEZ J. R.; et al. Um primo heterólogo regime de reforço usando DNA e vírus vaccinia recombinante expressando o antígeno P36/LACK de Leishmania infantum protege camundongos BALB/c da leishmaniose cutânea. Vacina, v. 20, n. 7, p. 1226–1231, 2002.

GRIENSVEN, J. & DIRO, E. Visceral Leishmaniasis: Recent Advances in Diagnostics and Treatment Regimens. Infect Dis Clin North Am , [s. l.], Março 2019.

JAIN K.; JAIN N. K. Vaccines for visceral leishmaniasis: A review. J Immunol Methods. v. 422, p. 1-12, 2015.

KEYNAN, Y.; LARIOS, O. E.; WISEMAN, M. C.; PLOURDE M.; OUELLETTE M.; RUBINSTEIN E.. Use of oral miltefosine for cutaneous leishmaniasis in Canadian soldiers returning from Afghanistan. Can J Infect Dis Med Microbiol, v. 19, n. 6, Nov. 2008.

KUMAR, R. & ENGWERDA, C. Vaccines to prevent leishmaniasis. Clin Transl Immunology, [s. l.], 14 mar. 2014.

LOUÇÃO, A. S.; JACOMINI, D.; MORONI, J. G.; SANCHES, A. C. C. Reações adversas a anfotericina B em adultos - mineração de dados. Rev. Bras. Farm. Hosp. Serv. Saúde. v. 9, n. 1, 2018.

LUNA, E. J. A.; CAMPOS, S. R. S. L. C. O desenvolvimento de vacinas contra as doenças tropicais negligenciadas. Cad. Saúde Pública. v. 36, p. 7-11, 2020.

MACHADO, P. & PENA, G. Miltefosina e leishmaniose cutânea. Curr Opin Infect Dis, [s. l.], v. 25, n. 2, p. 141 - 144, Abril 2012.

MARTINEZ, R.. Atualização no uso de agentes antifúngicos. J Bras Pneumol, v. 32, n. 5, p. 449-60, 2006.

SANTOS, M. P. DOS.; FERREIRA, J. M.; SILVA, M. A. G. DA.; ALMEIDA, K. DE. S.. Leishmaniose visceral humana: letalidade e tempo da suspeição ao tratamento em área endêmica no Brasil. Rev. Epidemiol. Controle Infecç, v. 12, n. 4, mar. 2003

MINISTÉRIO DA SAÚDE (Brasil). Manual de vigilância da leishmaniose tegumentar. Versão eletrônica. 1. ed. Brasília, DF: Editora MS, 2017. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_vigilancia_leishmaniose_tegumentar.pdf. Acesso em: 27 Fev. 2024.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (Brasil). Secretaria de Vigilância em Saúde; Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis; Coordenação-Geral de Vigilância de Zoonoses e Doenças de Transmissão Vetorial. Orientações sobre o uso da miltefosina para o tratamento da Leishmaniose Tegumentar no âmbito do Sistema Único de Saúde. NOTA INFORMATIVA Nº 13/2020-CGZV/DEIDT/SVS/MS. 2020. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/estudos-e-notas-informativas/2020/nota-informativa-miltefosina.pdf. Acesso em: 27 Fev. 2024.

MOLL, H.; BERBERICH, C. Estratégias de vacinação baseadas em células dendríticas: indução de imunidade protetora contra leishmaniose. Imunobiologia, v. 204, n. 5, p. 659– 666, 2001.

NEVES, L. O., TALHARI, A. C., GADELHA, E. P. N., SILVA JÚNIOR, R. M. DA ., GUERRA, J. A. DE O., FERREIRA, L. C. DE L., & TALHARI, S. Estudo clínico randomizado comparando antimoniato de meglumina, pentamidina e anfotericina B para o tratamento da leishmaniose cutânea ocasionada por Leishmania guyanensis. Anais Brasileiros de Dermatologia, v. 86, n. 6, p. 1092–1101, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0365-05962011000600005

NUNES, S.; TIBÚRCIO, R.; BONYEK-SILVA, I; OLIVEIRA, P R.; KHOURI, R.; BOAVENTURA, V.; BARRAL, A.; BRODSKYN, C.; TAVARES N M.. Análise do transcriptoma identifica a interferência entre células dendríticas e células assassinas naturais na leishmaniose cutânea humana. Microorganisms, v. 11, n. 8, p. 1937, 2023.

OLIVEIRA, C M M de. Leishmaniose Tegumentar Americana: análise dos padrões espaço-temporais das microrregiões brasileiras de 2010 a 2019. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Epidemiologia em Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, p. 112. 2022.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Trabalhar para superar o impacto global das doenças tropicais negligenciadas: primeiro relatório da OMS sobre doenças tropicais negligenciadas, 2011. Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/9789241564090. Acesso em: 24 jan. 2024.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. Síntesis de evidencia y recomendaciones: directrices para el tratamiento de las leishmaniasis en la Región de las Américas. Rev Panam Saúde Pública, v. 47, n. 43, 2023.

PALATNIK-DE-SOUSA, C. B.. Vacinas para leishmaniose serão vistas nos próximos 25 anos. Vaccine, v. 16, n. 14, p. 1709-1724, 2008.

PETERS N. C.; EGEN J. G.; SECUNDINO N.; et al. A imagem in vivo revela um papel essencial dos neutrófilos na leishmaniose transmitida por flebotomíneos. Ciência, v. 321, n. 5891, p. 970–974, 2008.

PETITDIDIER E.; PAGNIEZ J.; PAPIEROK G.; VINCENDEAU P.; Lemesre J. L.; BRAS-GONÇALVES R. Formas recombinantes de Leishmania amazonensis excretadas/ O antígeno de superfície promastigota secretado (PSA) induz respostas imunes protetoras em cães. PLoS Negl Trop Dis., v. 10, n. 5, p. e0004614, 2016.

RAJASEKARAN R.; CHEN Y. P. Potenciais alvos terapêuticos e o papel da tecnologia no desenvolvimento de novos medicamentos anti-leishmania. Descoberta de drogas hoje, v. 20, n. 8, p. 958–968, 2015.

RAMÍREZ J. R.; GILCHRIST K.; ROBLEDO S.; SEPÚLVEDA J. C.; MOLL H.; SOLDATI D.; et al. Mutantes atenuados de Toxoplasma gondii ts-4 projetados para expressar o antígeno de Leishmania KMP-11 provocam uma resposta imune específica em camundongos BALB/ c. Vacina, v. 20, n. 3, p. 455–461, 2001.

RATH, S.; TRIVELIN, L. A.; IMBRUNITO, T. R.; TOMAZELA, D. M.; JESÚS, M. N. DE.; MARÇAL, P. C.. Antimoniais empregados no tratamento da leishmaniose: estado da arte. Química Nova, v. 26, n. 4, p. 550–555, jul. 2003.

REQUENA J. M.; IBORRA S.; CARRIÓN J.; ALONSO C.; SOTO M. Avanços recentes em vacinas para leishmaniose. Opinião de especialistas Biol Ther., v. 4, n. 9, p. 1505–1517, 2004.

SILVA, K L O.; SANTOS, D P.; COELHO, N M D.; SILVA, D C da.; OKAMOTO, A C.; GAETTI-JARDIM JÚNIOR, E.. Vacinas Contra Leishmaniose: Uma Revisão. Arch Health Invest, v. 2, n. 4, p. 18-28, 2013.

SIMON L CROFT & GRANHAN H COOMBS. Leishmaniasis--current chemotherapy and recent advances in the search for novel drugs, Trends Parasitol v 19,11 , Nov 2003.

STARK, C. G.. Leishmaniasis. MedScape, 2023. Disponível em: <https://emedicine.medscape.com/article/220298-overview>. Acesso em: 15 jan. 2024.

SUNDAR, S.; SINGH, B.. Identificação de alvos de vacinas para o desenvolvimento de vacinas anti-leishmania. Expert Review of Vaccines, v. 13, n.4, p. 489-505, 2014.

SUNDAR, S. Drug resistance in Indian visceral leishmaniasis, Tropical medicine & international health , v6,11 , 2001.

SUSCHAK J. J.; WILLIAMS A.; SCHMALJOHN C. S.. Avanços em vetores de vacinas de DNA, métodos de entrega não mecânicos e adjuvantes moleculares para aumentar a imunogenicidade. HUMAN VACCINES & IMMUNOTHERAPEUTICS, v.13, n. 12, p. 2837–284, 2017.

TASLIMI Y.; ZAHEDIFARD F.; RAFATI S.. Leishmaniose e várias abordagens imunoterapêuticas. Parasitologia, v. 145, n. 4, p. 497–507, 2018.

TEIXEIRA, V. C.; AMORIM, A. C. O.; RODRIGUES, C. R.; SAMPAIO FILHO, H. C. Miltefosina no tratamento da Leishmaniose Tegumentar: eficácia e limitações da primeira terapia oral autorizada no Brasil. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v. 6, n. 4, p.17261-17272, jul./aug., 2023.

Published

2024-06-11

How to Cite

Silva, L. R. S. da, Silva, L. R. S. da, Silva, F. P. B. da, Rocha, F. H. B. P. da, Costa, Y. K. dos S., Bezerra, D. C. B., Lima, L. de L. S., & Chiacchio, A. D. (2024). Análise dos benefícios do desenvolvimento de vacinas contra Leishmaniose em relação ao tratamento clássico. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(6), e7407 . https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-109

Issue

Section

Articles