A formação docente para recursos educacionais abertos na educação de jovens e adultos

Authors

  • Magda Lucia Vilas-Boas

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-184

Keywords:

educação, didática, inovação, multireferencialidade

Abstract

A partir da década de 1970, o Brasil passa por transformações em todos os campos, trazendo a demanda de inovações que venham ao encontro com o momento histórico, econômico, político, social e cultural, em uma sociedade diversa, complexa e em processo de estrutura/reestruturação. A educação deve estar preparada para a demanda do novo paradigma nesta sociedade complexa e multirelacional. O objetivo deste artigo é refletir sobre a formação docente mediante os recursos educacionais abertos na Educação de Jovens e Adultos (EJA). O caminho metodológico foi de pesquisa bibliográfica, de teor formação multirelacional. Teve como considerações, a importância de adequar os recursos educacionais abertos na modalidade de EJA, dada a especificidade e a necessidade premente de se considerar tal modalidade como imprescindível à população brasileira, como também à formação docente para tal processo. E esta modalidade com acesso aberto à informação e conhecimentos fará com que a educação seja democratizada, levando em conta a facilidade de contato com conteúdos relevantes para a preparação humana, profissional e social. Mas, para isso, torna-se imprescindível preparação docente fundamentada nos processos tecnológicos como ferramentas e a consciência da complexidade e da multidimensionalidade da sociedade atual. Percebe-se, ainda que há desafios na aplicação dos Recursos Educacionais Abertos (REA), uma vez que grande parte da população brasileira não têm sequer um celular ou internet em casa. Isto faz com que as pessoas fiquem à marginalidade em termos de conhecimentos, emancipação social e cultural, aumentando a desigualdade social.

References

AMIEL, T. Educação aberta: configurando ambientes, práticas e recursos educacionais. In: Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas políticas públicas. Salvador: Edufba; São Paulo: Casa da Cultura Digital, p. 17-33. 2012. Disponível em: http://livrorea.net.br/livroREA-1edicao-mai2012.pdf. Acesso: 19 mar. 2020.

ARDOÍNO, J. Nota a propósito das relações entre a abordagem multirreferencial e a análise institucional (história ou histórias), In Multireferencialidade nas ciências e na educação. São Carlos: Editora da UFSCar, p. 42-49, 1998.

AZANHA, J. M. P. Uma ideia de pesquisa educacional. EDUSP, 1993.

BALZAN, N. C. Sete asserções inaceitáveis sobre a inovação educacional. GARCIA, W. E. (Coord.). In: Inovação educacional no Brasil: problemas e perspectivas. Coleção educação contemporânea: 2. ed. São Paulo: Cortez, 1989, p. 264-285.

BARBIER, R. A Pesquisa-Ação na Instituição Educativa. Trad. Estela dos Santos Abreu com colaboração de Maria Wanda Maul de Andrade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1985.

BRANDÃO, C. R. O que é educação. São Paulo: Abril Cultural; Brasiliense, 1985.

BRASIL. Casa Civil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 6 jun. 2024.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 93934 de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em 6 jun. 2024.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer n. 009/2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf. Acesso: 14 jan. 2024.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação. Brasília. 2001. Disponível em: http://pne.mec.gov.br/. Acesso: 18 maio 2024.

BRASIL. Presidência da República. Plano Nacional de Educação 2014-2024. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Brasília-DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso: 19 maio 2024.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Paz e Terra, 1978.

FREIRE, P. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

FUNDAÇÃO MAURICIO SIROTSKYSOBRINHO. REA: entenda o que são e como funcionam os recursos educacionais abertos. 2018). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=p-A_nqSGhNI. Acesso: 18 maio 2024.

GAJARDO, M. Pesquisa participante na américa latina. São Paulo: Brasiliense, 1986.

HYLÉN, J. Open educational resources: Opportunities and challenges, OECD-CERI, 2005. Disponível em: http://www.oecd.org/dataoecd/1/49/35733548.doc. Acesso 20 mar. 2024.

IBGE – Instituto de Geografia e Estatística. Taxa de analfabetismo das pessoas de 15 anos ou mais de idade. Disponível em: https://brasilemsintese.ibge.gov.br/educacao/taxa-de-analfabetismo-das-pessoas-de-15-anos-ou-mais.html. Acesso: 18 abr. 2024.

IRELAND, T. A EJA tem agora objetivos maiores que a alfabetização. Revista Nova Escola. São Paulo. n. 223, p. 36 – 40, 2009.

MATURANA, H. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. São Paulo: Palas Athena, 2001. 283 p.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2007.

MOGIKA, M. Educação, desenvolvimento humano e cosmos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 363-377, set./dez. 2005).

NEGROPONTE, N. Ser digital. Trad. Marisa Abdala. Barcelona (Espanha). Ediciones B, S.A., 1995.

NOBRE, A.; MALLMANN, E. M.; MENDES, A. Q. A Universidade Aberta a caminho da inovação pedagógica: recursos e práticas educacionais abertas. Repositório Aberto/ Universidade Aberta, Portugal, p. 251-282, 2015.

NÓVOA, A. Formação de professores e formação docente. In: NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1992.

NUNES, S. M. E.; SILVA, J. C. C. PINTO, A. C. Recursos Educacionais Abertos: da produção à prática educacional aberta. VI Congresso Nacional de Educação – Anais. 2017. Disponível em: https://www.editorarealize.com.br/editora/ebooks/conedu/2019/ebook3/PROPOSTA_EV127_MD4_ID12454_30082019183151.pdf. Acesso em: 6 jun. 2024.

PESCE, L. A Potência Didática dos Recursos Educacionais Abertos para a Docência na Contemporaneidade. Revista Eletrônica de Educação, v. 7, n. 2, p. 195-210, 2013.

RODRIGUES, N. Lições do Príncipe e outras lições. São Paulo: Cortez, 2001. (Col. Questões da Nossa Época, vol. 15).

ROSSINI, Tatiana Stofella Sodré; SANTOS, Edméa de Oliveira. Recursos Educacionais Abertos: Desafios para Autoria e Formação de Professores na Cibercultura. Anais dos Workshops do Congresso Brasileiro de Informática na Educação. 2012. Disponível em: https://br-ie.org/pub/index.php/wcbie/article/view/1894/1657. Acesso em: 17 maio 2024.

SANTAELLA, M. L. A aprendizagem ubíqua substitui a educação formal? Revista de Educação e tecnologia da PUC-SP, v. 6, n. 12, jul./dez, p. 17-22, 2009.

SANTOS, E. Educação on-line como campo de pesquisa-formação: potencialidades das interfaces digitais”, In Práticas pedagógicas e tecnologias digitais. Rio de Janeiro: E-papers, p. 123-141, 2006.

SILVA, M. Sala de aula interativa: educação, comunicação, mídia clássica. São Paulo: Edições Loyola, 2010.

SILVA, J.; NUNES, S.; PINTO, A.; BRAGA, M. Recursos Educacionais Abertos e educação básica: diálogos pertinentes via um guia de recomendações. Anais: Conferência Ibérica de Sistemas e Tecnologia de Informação, 12. Lisboa, 2017. Disponível em: https://ieeexplore.ieee.org/document/7975790/. Acesso em: 04 jun. 2024.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, R.J.: Editora Vozes, 2002.

TARDIF, M. LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interação humanas. Rio Janeiro: Vozes, 2005.

TARDIF, M. Princípios para guiar a aplicação dos programas de formação inicial para o ensino. XIV ENDIPE - ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO – Trajetórias e processos de Ensinar e Aprender: lugares, memórias e culturas. De 27 a 30 de abril de 2008. CD 2 – Livro 1. Porto Alegre, ediPUCRS, 2008, p. 17-46.

VILAS-BOAS, M. L.; MUNIZ, R.A.; ESTEVAM, H. M. Ultrapassando a fragmentação: pedagogia da inteireza na educação de jovens e adultos. Uberaba: Editora e Gráfica Cenecista Dr. José Ferreira, 2012.

VÓVIO, C. L; MANSUTTI, M. A. Viver, aprender alfabetização: alfabetização de Jo Jovens e Adultos. Livro do alfabetizando. 2. ed. São Paulo: Global, 2008.

Published

2024-06-18

How to Cite

Vilas-Boas, M. L. (2024). A formação docente para recursos educacionais abertos na educação de jovens e adultos. CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(6), e7571. https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-184

Issue

Section

Articles