Os centros tecnológicos e o fortalecimento do turismo de negócios em Marabá

Authors

  • José Airton Ribeiro Gonçalves
  • Cledson Santana Lopes Gonçalves
  • Maria Liduína das Chagas
  • Solange de Lima Cardoso
  • Celino Cordeiro Bastos Neto
  • Fábio André Brasiliense de Abreu
  • José Leão de Luna
  • Silvério Sirotheau Corrêa Neto
  • Thiago Rafael da Silva Moura

DOI:

https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-207

Keywords:

centros tecnológicos, APL (Arranjos Produtivos Locais), setor turístico, turismo de negócios

Abstract

Neste trabalho, abordamos o tema dos centros tecnológicos e fortalecimento do turismo de negócios em Marabá-PA. Nossa pesquisa foi direcionada pelas formulações das seguintes perguntas de pesquisa: 1) Os centros tecnológicos podem fortalecer o turismo de negócios em Marabá? 2) Marabá apresenta características para se tornar um polo de inovação? Realizamos pesquisa bibliográfica com a implementação das seguintes etapas: definição do tema, formulação de perguntas de pesquisa, identificação de fontes, seleção de palavras-chave, pesquisa em bancos de dados, avaliação das fontes, leitura e análise, apresentação e de resultados e atualização. Reportamos, em respostas às questões de pesquisa, que, embora nossos resultados forneçam percepções valiosas sobre o potencial de Marabá no contexto da inovação e tecnologia, eles não abordam diretamente o impacto específico dos centros tecnológicos no turismo de negócios. Além disso, Marabá apresenta características para se tornar um polo de inovação. Elas sugerem o potencial da cidade nesse sentido: fatores locais relevantes vocações locais, necessidade de integração e convergência de recursos, estimulo das iniciativas empresariais, legislação e regulamentações apropriadas, oportunidades com leis de incentivo. Essas características apontam para um ambiente propício para o desenvolvimento de um polo de inovação em Marabá, desde que sejam tomadas as medidas adequadas para aproveitar esse potencial.

References

BRASIL. Ministério do Turismo. Turismo de Aventura: orientações básicas. / Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação Geral de Segmentação. – Brasília: Ministério do Turismo, 2010.

BRASIL. Lei Nº 123, de 14 de dezembro de 2006.Institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. Brasília, DF: Diário Oficial da União. 15 dez. 2006, pág. nº 1, 2006.

BRASIL. Lei Nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à capacitação científica e a tecnológica e à inovação. Brasília, DF: Diário Oficial da União. 12 jan. 2016, pág. nº 1, 2016.

BRITTO, JN.P.; ALBUQUERQUE, E.M. (2002). Clusters industriais na economia brasileira: uma análise exploratória a partir de dados da Rais. Estudos Econômicos, 32, 1, 71-102.

CONSTANTINO, M.; DORSA, A. C.; ARAGÃO, J. C. M. DE; MENDES, D.R.F. (2019). Fluxos turísticos entre os países do Corrredor Bioceânico. Interações (Campo Grande), 20(especial), 57–67.

DRUCKER, P.F. Introdução à Administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, (2002).

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. (1995). The Triple Helix-University-Industry-Government Relations: A Laboratory for Knowledge-Based Economic Development. EASST Review 14, 14-19.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. (2000). The dynamics of innovation: from national systems and ‘Mode 2’ to a triple-helix of university-industry-government relations. Research Policy, 29, 22, 100-123.

ETZKOWITZ, H.; SOLÉ, F.; PIQUÉ, J. M. (2007). The creation of born global companies within the science cities: an approach from triple helix. ENGEVISTA, 9, 2,149-164.

FAPESPA – FUNDAÇÃO AMAZÔNIA DE AMAPARO A ESTUDOS E PESQUISA. Dados do Turismo. FAPESPA, 2022. Disponível em: https://www.fapespa.pa.gov.br/2022/11/10/boletim-do-turismo-2022/ Acesso em: 9 abr. 2024

GESSO, C.D.; LODHI, R.N.; ASIF, M.; COBANOGLU, C. (2024). A bibliometric analysis of intellectual capital research in the hospitality and tourism business setting. International Journal of Hospitality Management, 119, 103713.

GIL, A.C. Como elaborar projetas de pesquisa. 4. ed. - São Paulo: Atlas, p.21, (2002).

GODOVYKH, M.; TASCI, A.D.A. (2020). Customer experience in tourism: A review of definitions, components, and measurements. Tourism Management Perspectives, 35, 100694.

HAMAD, A. F. et al. Ecossistema de inovação na educação: uma abordagem conectivista. In: TEIXEIRA, C. S.; EHLERS, A. C. S.; SOUZA, M.V. (Org.). Educação fora da caixa: tendência para a educação no século XXI. 1. ed. Florianópolis: Bookess, v. 1, p. 33-48, (2015).

HJALAGER, A.-M. (2010). Progress in Tourism Management: A Review of Innovation Research in Tourism. Tourism Management, 31, 1-12.

IBGE/FAPESPA – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estimativas da População: Estimativas de população enviadas ao TCU. IBGE, 2021. Disponível em: https://www.fapespa.pa.gov.br/sistemas/pcn2021/tabelas/2-demografia/1-estimativas-populacionais--2017-2021.htm. Acesso em: 10 abr. 2024

MATTSSON, J.; SUNDBO, J.; FUSSING‐JENSEN, C. (2005). Innovation Systems in Tourism: The Roles of Attractors and Scene‐Takers. Industry and Innovation, 12(3), 357–381.

MUNROE, T.; WESTWIND, M. El ecosistema de innovación de Silicon Valley. In: Munroe, T.; Westwind, M. Silicon Valley: ecología de la innovación. Malaga, España: Euromedia Comunicación, Cap. 3, p. 46-91, (2008).

PUSTOVRH, A.; RANGUS, K.; DRNOVŠEK, M. (2020). The role of open innovation in developing an entrepreneurial support ecosystem. Technological Forecasting and Social Change, 152, 119892.

ROCHA, A.M.; CARVALHO, L.V. de; RIBEIRO, C.R. Ecossistema Local de Inovação: Compêndio Marco Legal da Inovação – SEBRAE/MG. (2022).

SCHUMPETER, J.A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, (1982).

SPIGEL, B.; HARRISON, R. (2018). Towards a process theory of entrepreneurial ecosystems, Strategic Entrepreneurship Journal, 12, 1, 151–168.

SUZIGAN, W.; FURTADO, J.; GARCIA, R.; SAMPAIO, S.E.K. Aglomerações industriais no Estado de São Paulo. Economia Aplicada, 5, 4, 695-717, (2001).

TOTES, W.S. Anuário Estatístico do Pará. FAPESPA, (2022). Disponível em: https://fapespa.pa.gov.br/sistemas/anuario2022/. Acesso em: 10 abr. 2024.

VICTORINO, L.; VERMA, R.; PLASCHKA, G.; DEV, C. (2005). Service innovation and customer choices in the hospitality industry. Managing Service Quality: An International Journal, 15, 6, 555-576.

Published

2024-06-19

How to Cite

Gonçalves, J. A. R., Gonçalves, C. S. L., Chagas, M. L. das, Cardoso, S. de L., Bastos Neto, C. C., Abreu, F. A. B. de, Luna, J. L. de, Corrêa Neto, S. S., & Moura, T. R. da S. (2024). Os centros tecnológicos e o fortalecimento do turismo de negócios em Marabá . CONTRIBUCIONES A LAS CIENCIAS SOCIALES, 17(6), e7603. https://doi.org/10.55905/revconv.17n.6-207

Issue

Section

Articles